segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Bravíssimo... para Lucas Parma.

Pois então, a gente bem que viu. A gente bem que avisou. Agora... bom, pegaria mal dizer: a gente já sabia? E no mais...


(cartaz do show de estréia da banda)

(Lucas canta...)

Todos já sabem que Lucas Parma escreve, compõe, desenha.... (não resisto à pergunta: e aí, você borda?). Bom, se quiserem mais, Quase-Ser-tão indica:


Presente de natal no espírito Quase-Ser-Tão para você junto com a alegria que a gente sente pela gente que você é: vai aí uma foto do Clint e um poema, o poema, do Quintana, o Mário, que às vezes virava anjo:


O Poema


Um poema como um gole dágua bebido no escuro.

Como um pobre animal palpitando ferido.

Como pequenina moeda de prata perdida para sempre na floresta noturna.

Um poema sem outra angústia que a sua misteriosa condição de poema.

Triste.

Solitário.

Único.

Ferido de mortal beleza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário