sábado, 30 de janeiro de 2010

Para a Sarah:


"Só os gentis são verdadeiramente fortes." (James Dean)

A un reconocido ser

(Pintura de Ana Marques sobre poema de Fernando Pessoa)

No soy Walt Whitman, pero con él aprendí a ver con ansiedad los seres desconocidos que pasan, y muchas veces, reconocerlos. Es cierto que pude reconocerte sin haber conocido tu cara, tus ojos o tus gestos.

A mí bastaron tus palabras. Cuando me regalas tus memorias y emociones, tus valores y esperanzas, sueños e indignaciones, puedo reencontrar mis propias experiencias. No hace mucho tiempo pude tranquilizarlas. De pronto ya te digo: ¡con bastante esfuerzo!, y repito, solamente tranquilizarlas. Restan (restarán siempre) dudas, perplejidades y angustias. Desde ahí el dolor; la reacción incómoda más allá de la emoción de reconocerte hermano en alma. Como decía, me encontraba en un descansillo cuando por mi pasaste. Verdad, y de pronto pensé que no tenías el derecho de interrumpir mi pequeño descanso. Créame: me costó tener algún reposo. Pero ahora que estoy despierta arrojaron sobre mí las viejas memorias, y pienso - ¿por qué no? - tal vez viejas ideas.

Sí, hay algo de viejo, de revisitado, tal vez equivocado, en todo lo que sentí. Y, al mismo tiempo, algo de precioso. Son nuestras ambivalencias. Como un cristal que amamos, lo perdemos y de repente lo reencontramos.

Todo cambia entretanto… hasta los cristales. Bueno, la verdad es que las emociones también pueden envejecer y las ideas endurecerse. Al comienzo hubo, es cierto, un turbión de emociones y después, sin derecho, es cierto también, empecé a reflexionar sobre tu testamento.

Sé que tengo una perspectiva muy particular de las cosas, sea por defecto profesional, sea por género – soy una mujer, hay una particularidad irreversible en eso y a mí me gusta – nunca fui propiamente una feminista -, o por personalidad tal vez, y hasta, quien sabe, por desconfianza. Quizás. El facto es que miro primero al individual, al singular; éste es siempre mi punto de partida. No me olvido del social, no, no, no… lejos de eso; soy bien consciente, incluso que el social viene antes; al principio, el social hace el individuo. Bueno, ahora que también soy una ‘niña’ madura, - y que no pudo ser débil - pienso que nuestras (por supuesto debería decir mías, pero en verdad veo a mí y a nosotros; y cuando me identifico con tus palabras siento las cosas como ‘nuestras’), yo decía, pienso que nuestras desilusiones – ¿por que no decir fracasos? - vinieron de equívocos y dentro de estos – lo más importante desde mi punto de vista - el olvido, el abandono, quizá la huida, la negación del individuo. Y en ese caso, la huida de si mismo. Y tal vez ahora, en nuestros días, ellos, nosotros, los ‘individuos’ estén vengándose. Pues que hoy existen solamente ‘individuos’. Independientes y aislados. Individuos, no personas.

Peleamos por las igualdades, la justicia, los derechos. Éramos jóvenes y sinceros, y la injusticia era total. Yo sé. Pero ¿peleamos por la verdad entera? ¿Podíamos vernos a nosotros mismos? Pues, las personas no son iguales; el contrario, son muy grandes las diferencias; hay los malos y los buenos. Eso es muy difícil para nosotros todos. Los hijos de Platón.

¿Sabes por qué Tommy Joad y Raskolnikov fueron, y son, nuestros héroes? Porque son únicos, dos en millones de millones… Puede ser que encontremos más dos o tres. Entonces si me permites, te cuento – (tendrás que… ya que despertárteme) – mi primer chorro de pensamientos tras leer tus palabras: ¿Por que te sentías aún tan frágil o débil si el coraje marca tu vida y salta de cada palabra tuya como un felino salvaje? No sé si puede hacerse pedidos a amigos cuando se parte para no más volver. ¿Quién estará sólo? Los amigos, lo pienso. Y fuiste un fuerte. Además, ahora casi nadie es sensible. Casi todos se armaron en grandes grupos y, si pobres, hacen de su pobreza una mercancía. O se ciñen con cinturones de bombas que se explotan antes que podamos invitarlos a la nuestra barricada. Hoy no hay Raskolnikov… y si hubiera no tendría dudas ni culpas. Tendría solamente un problema: la usurera no es más una viejita inútil; en verdad, ¿cuál de los a su alrededor no será un usurero? Él no tendrá dificultades para ir a la universidad, éstas reciben cualquier moneda. Y tampoco, creo, él deseará otra cosa que no sea ganar más dinero. Será muy fácil saber lo que quiere el fiscal interrogador: dinero… venga de donde venga…

¿La amistad? ¿La solidaridad? ¿Qué son? Son vínculos y esos necesitan personas que los hagan… y ya no hay personas. Hay cosas, muchas cosas. Hombrescosas, cuerposcosas, pobrezascosas…; todo es objeto, ¡solamente objetos! Hay cambios. Hay ventas y ganancias. Sin embargo, no sabemos quién son nuestros amigos o enemigos. Muchos se fueron para no volver, otros cambiaron de modos, caras y pensamientos… y hasta, créame, se convirtieron curas porque, hoy, hay incontables iglesias que son muy ricas porque venden un lugar en el paraíso. Ríete: basta que ofrezcan un lugar en un paraíso con mujeres vírgenes a la disposición y uno se explotará tranquilo en nombre de Dios; no importa quién o cuantos podrán morir. Ixtlan? Muy bien, Don Juan dejó su catarata y vendió sus revelaciones para Paulo Coelho que las industrializó y las vende en las tiendas de 1,99. Lo siento, pero no hay más inocentes, pobres y oprimidos. ¡Todo es una sola y pura mierda! El ‘Otro’, los ‘Otros’, ‘Nosotros’, todos somos apenas seres asquerosos, omnipotentes, ridículos, rasos, tal vez vacios. Huecos de cuya borde cuelgan pendientes brillosos: oro, oro, oro… Sólo mercancías. Sí, finalmente somos todos iguales. Somos idénticos. Y esos, ¿qué quieren? ¿Qué restó? ¿Qué pueden hacer los iguales? Solo una cosa: competir. Y la competición que importa: la carrera, naturalmente. Disfrazada en la nobleza de tener una profesión de respeto, vámonos todos a la carrera… Como el conejo de Alice, siempre retrasados, y seguimos corriendo. ‘No tengo tiempo para nada’ es el lema mayor. El mejor que tenemos. Y así perdemos todo el tiempo, porque lo consumimos para llegar en primer lugar. Ser el primero: es la única diferencia que resta a los iguales. Y estar sólo, naturalmente. Eso es todo. No hay personas: hay profesionales. Y una profesión: vendedores. Tuve amor por todos los humanos, pero a mí me parece que todos se fueron.

No. Esa no es toda la verdad porque, de súbito, el imponderable de la vida se presenta, y entonces me apareces tú. Si al comienzo me molestó, ahora te agradezco… aunque ya no crea en las revoluciones o contra-revoluciones, en la lucha de las clases, y ni siquiera en el principio económico de los cambios. Hablas de peleas, ¡nuestras peleas! No hay más peleas: hay genocidios y competiciones. Entretanto si pudiste mantenerte lúcido e indignado y hablaste de aquella manera, tengo que preguntarme: ¿quién eras? Solamente cuando obtuve una respuesta, comprendí tenerte reconocido sin haberte conocido, y el dolor que tus palabras causaban. Fuiste un poeta, es mi respuesta. Por eso eras un combatiente todavía. Sí, ahora creo solamente en esos militantes, cuya contienda es antes, y siempre, en el interior de si mismos. Creo que la misión – si hay una, personalmente prefiero sueños - se cambió de todo: tenemos que crear nuevos conceptos, nuevas palabras, es decir, nuevos significados. Inventar personas que inventen sueños. Alguien que quiera lo imposible, que sea un realista. Es que eso no fue comprendido, a pesar de los cuarenta años ya pasados.

Por fin y al cabo: te prometo mantener mi barricada; la única que hace sentido hoy, y también la única de que se sirven los poetas: la propia piel. Gracias a tí por no omitirte, y gracias a Antonio y Dani por me haber te presentado.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Reflexões:

Repórter Caco Barcelos, na revista PODER, edição janeiro/2010. Clube Quase-Ser-Tão assina esta afirmação, e sugere a leitura da reportagem.

Poesia... mais poesia!

“A gente não parte. Retoma o caminho, e carregando meu vício, o vício que lançou raízes de dor ao meu lado desde a idade da razão, e sobe ao céu, me bate, me derruba, me arrasta.
A última inocência e a última timidez. Está dito. Não levar ao mundo meus dissabores e minhas traições.
Vamos! O ir, o fardo, o deserto, o tédio e a cólera.
A quem me alugar? Que animal é preciso que adore? Que santa imagem nos agredirá? Que corações partirei? Que mentira devo sustentar? Em que ânimo avançar?
Antes de tudo, acautelar-se com a justiça. A dura vida, o simples embrutecimento; levantar, com a mão seca, a tampa do caixão, sentar, se asfixiar. Assim nada de velhice nem de perigos: o terror não é francês.
Ah! Estou tão abandonado que ofereço à não importa que imagem divina os impulsos para a perfeição.
Ó minha abnegação, ó minha maravilhosa caridade! Aqui na terra, no entanto. De profundis Domine, estou aparvalhado!”

CODA: in Uma temporada no inferno, Arthur Rimbaud, L&PM, tradução de Paulo Hecker Filho, edição bilíngüe, Porto Alegre, 2008.

Rimbaud foi a criança rebelde e genial; o maldito poeta adolescente, capaz de mergulhar nas profundezas das origens. O inocente sem medidas. “O maior de todos”, segundo Vinicius de Moraes; a “vida inimitável” segundo Verlaine. E por Henry Miller: ‘A última palavra do desespero, da revolta, da maldição. A poesia tudo deve a Rimbaud. Até agora ninguém o superou em audácia e imaginação’.

(O poeta e o Centauro, de Moreau)

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

SAUDADE

Saudade de tudo!...

Saudade, essencial e orgânica,

De horas passadas,

Que eu podia viver e não vivi!...

Saudade de gente que não conheço,

De amigos nascidos noutras terras,

De almas órfãs e irmãs,

De minha gente dispersa,

Que talvez até hoje ainda espere por mim...

Saudade triste do passado,

Saudade gloriosa do futuro,

Saudade de todos os presentes

Vividos fora de mim!...

Pressa!...

Ânsia voraz de me fazer em muitos,

fome angustiosa da fusão de tudo,

sede da volta final

da grande experiência:

uma só alma em um só corpo, uma só alma-corpo,

um só,

um!...

Como quem fecha numa gota

o Oceano,

afogado no fundo de si mesmo...


CODA: in Magma, João Guimarães Rosa, Editora Nova Fronteira,RJ, 1997.

Reflexões. Encontros notáveis.

"Creio que a essência do fanatismo reside no desejo de forçar as outras pessoas a mudarem. A inclinação comum de melhorar seu vizinho, de consertar seu cônjuge, de guiar seu filho ou de endireitar seu irmão, em vez de deixá-los ser. O fanático é uma criatura bastante generosa. É um grande altruísta. Freqüentemente, o fanático está mais interessado em você do que nele próprio. Ele quer salvar sua alma, quer redimi-lo, quer libertá-lo do pecado, do erro, do fumo, de sua fé ou de sua falta de fé, quer melhorar seus hábitos alimentares ou curá-lo de seus hábitos de bebida ou de voto. O fanático importa-se muito com você, ele está sempre se atirando no seu pescoço porque o ama de verdade, ou apertando sua garganta, caso você prove ser irrecuperável”.

CODA: in CONTRA O FANATISMO, Amós Oz, Ediouro, RJ, 2004.

Amóz Oz nasceu em Jerusalém em 1939. Tem uma bela obra literária, já traduzida para mais de 30 idiomas. Lutou na guerra de 1967 e é militante pacifista, atuante no Paz Agora, um dos mais ativos movimentos israelenses pela paz. Seus romances são delicados, sua escrita é um mergulho profundo em nossa frágil humanidade. É um escritor generoso. Destacamos: O MESMO MAR, MEU MICHEL e CONHECER UMA MULHER, entre outros. Conheça também Amós, o homem.

(Amós Oz)

sábado, 23 de janeiro de 2010

La ficción y la vida

“El gran tema de Don Quijote de la Mancha es la ficción, su razón de ser, y la manera como ella, al infiltrarse en la vida, la va modelando, transformando.(…) la ficción es un asunto central de la novela, porque el hidalgo manchego que es su protagonista ha sido ‘desquiciado’ – también en su locura hay que ver una alegoría o un símbolo antes que un diagnóstico clínico – por las fantasías de los libros de caballerías, y, creyendo que el mundo es como lo describen las novelas de Amadises y Palmerines, se lanza a él en busca de unas aventuras que vivirá de manera paródica, provocando y padeciendo pequeñas catástrofes. Él no saca de esas malas experiencias una lección de realismo. Con la inconmovible fe de los fanáticos, atribuye a malvados encantadores que sus hazañas tornen siempre a desnaturalizarse y convertirse en farsas. Al final, termina por salirse con la suya. La ficción va contaminando lo vivido y la realidad se va gradualmente plegando a las excentricidades y fantasías de don Quijote.”



CODA: in prólogo de Mario Vargas Llosa, Don Quijote de la Mancha, Miguel de Cervantes, edición del IV centenario – Real Academia Española/ Asociación de Academias de la Lengua Española – 2004.


(Don Quijote - Gustave Dorè)

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

CONVITE: BOM PROGRAMA

SEMANA ANIMATV - 25 A 30 DE JANEIRO/2010

MAKING 0FS:

TV BRASIL – DIA 25 – 11 HS àS 12 HS E 15 ÀS 16 HS

TV CULTURA – DIA 25 – 11: 30 HS E 15: 30 ÀS 16:30 HS


PIRATAS VS NINJAS VS ROBOS VS CAUBOYS – Desenho João Penna/ Roteiro Sarah Pinto/Produção Abuzza Filmes –

TV Brasil – dia 26 – 11 h às 12 h e 15 h às 16 h.

TV CULTURA – dia 26 – 11:30 hs às 12:30 e 15:30 hs às 16:30 hs.

DIA 30/01 – MARATONA ANIMATV – TODOS OS 17 PILOTOS NA TV BRASIL E TV CULTURA DE 14:30 HS ÀS 18 HS.


quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Proust, Beckett, Percy Adlon, Nestrovski : literatura, ensaio, cinema, música... reflexões.

(...) A equação proustiana nunca é simples. O desconhecido, escolhendo suas armas de um manancial de valores, é também o inconhecível. E a qualidade de sua ação fica sob dois cabeçalhos. Em Proust, cada lança pode ser uma lança de Télefo. Este dualismo na multiplicidade será examinado em detalhe com relação ao ‘perpectivismo’ proustiano. Para os propósitos desta síntese, convém adotar a cronologia interna de demonstração proustiana, examinado em primeiro lugar esse monstro de duas cabeças, danação e salvação – o Tempo.
(...)
Mas se o amor, para Proust, é uma função da tristeza do homem, a amizade é função de sua covardia; e se nenhum dos dois pode concretizar-se, devido à impenetrabilidade (ao isolamento) de tudo que não for cosa mentale, ao menos o fracasso da posse terá talvez a nobreza do que é trágico, enquanto que a tentativa de comunicar-se onde não é possível qualquer comunicação não passa de vulgaridade simiesca, ou horrendamente cômica, como o delírio que sustenta um diálogo com a mobília. A amizade, segundo Proust, é a negação da solidão irremediável à qual cada ser está condenado. A amizade subentende uma aceitação quase piedosa das aparências. A amizade é um expediente social, como carpetes e cortinas ou a distribuição de sacos de lixo. Não tem qualquer significado espiritual. Para o artista, que não lida com superfícies, a rejeição da amizade é não só razoável, mas uma necessidade. Porque o único desenvolvimento espiritual possível é no sentido da profundidade. A tendência artística não é uma expansão, mas uma contração. E arte é a apoteose da solidão. Não há comunicação porque não há veículos de comunicação. Mesmo nas raras ocasiões em que palavra e gesto ocorrem ser expressões válidas da personalidade, perderão seu significado ao passar através da catarata da personalidade alheia. Ou falamos e agimos por nós mesmos – e neste caso ação e fala serão destorcidas e esvaziadas de seu significado por uma inteligência que não é nossa – ou então falamos e agimos pelos outros – e neste caso mentimos.
(...)
“O homem, diz Proust, não é um mero edifício que pode crescer se aumentarmos sua superfície, mas uma árvore cujo tronco e ramagem são expressão de seiva interior”. Estamos sós. Incapazes de compreender e incapazes de sermos compreendidos. “O homem é a criatura que não consegue sair de si mesmo, que só conhece os outros em si mesmo e que , quando afirma o contrário, mente.”

(Samuel Beckett)
CODA: in Proust, Samuel Beckett, L&PM, tradução de Arthur Rosenblat Nestrovski, Porto Alegre, 1986.
Samuel Beckett nasceu nas proximidades de Dublin, a 13 de abril de 1906, e viveu em Paris, onde ficou amigo de Joyce. Escreveu Proust aos 25 anos, em 1931, dando prosseguimento à sua obra literária que iniciara dois anos antes, com os ensaios sobre Joyce, Dante, Vico e Bruno. A fama chegaria em 1952, com a peça Esperando Godot. Em 1969, Beckett recebeu o Nobel de Literatura. Hoje, é fácil perceber em Proust a marca do gênio. Beckett é o apóstolo do nada e ninguém definiu melhor sua obra do que ele próprio: “Nada tenho a dizer, mas somente eu sei como dizer isso”.

Marcel Proust nasceu em Auteuil, Paris a 10 de julho de 1871, e morreu em Paris a 18 de novembro de 1922. Com uma saúde extremamente frágil, viveu uma vida bem singular; entrou para a École des Sciences Politiques, onde foi aluno de Henry Bérgson, mas logo desistiu da carreira diplomática para dedicar-se inteiramente à literatura. Freqüentou os salões da alta burguesia francesa, de onde veio o material de sua obra monumental: À la recherche du temps perdu. Vivendo da herança dos pais freqüentava a burguesia ociosa, e aos poucos foi se isolando, cada dia mais, até manter-se em quartos à prova de som, dedicando-se febrilmente à revisão de escrita. Sofreu de asma durante toda a vida, que o levou à morte, e que seguramente repercutiu em sua escrita. Proust foi, e é, um desafio para os leitores. Há um belo filme do grande Percy Adlon (Bagdá Café, Rosali vai às compras, etc), Celeste, baseado no livro da criada particular de Proust (a Celeste do título), que relata os anos febris do escritor, isolado em seu quarto, escrevendo sua obra.
(Percy Adlon)

(o livro de Celeste Albaret sobre Proust, em tradução de Cordélia Magalhães, no qual se baseia o filme de Percy Adlon)
Arthur Nestrovski nasceu em Porto Alegre em 26 de dezembro de 1959, é um compositor, violonista, crítico literário e musical, escritor e editor. Graduou-se em música na Inglaterra, e em Literatura e Música em Iowa nos EUA. Atuou como crítico de música clássica da Folha de São Paulo, e como editor da PubliFolha. Vai dirigir a orquesta sinfônica de S. P. a partir de 2010. Foi professor de Comunicação e Semiótica da PUC.SP. Abandonou a carreira acadêmica para dedicar-se à música. Gravou o cd solo Jobim Violão entre outros. É parceiro regular de Zé Miguel Wisnik (mais que presente aqui no clube) e vários outros artistas brasileiros.
(Wisnik e Nestrovski em uma de suas incríveis aulas/shows)

domingo, 17 de janeiro de 2010

Sugestão: Mário Vargas LLosa

“Quando lemos romances, não somos o que somos habitualmente, mas também os seres criados para os quais o romancista nos transporta. Esse traslado é uma metamorfose: o reduto asfixiante que é nossa vida real abre-se e saímos para ser outros, para viver vicariamente experiências que a ficção transforma como nossas. Sonho lúcido e fantasia encarnada, a ficção nos completa – a nós, seres mutilados, a quem foi imposta a atroz dicotomia de ter uma única vida, e os apetites e as fantasias de desejar outras mil. Esse espaço entre a vida real e os desejos e as fantasias, que exigem que seja mais rica e mais diversa, é preenchido pelos livros de ficção.

No coração de todos esses livros chameja um protesto. Quem os fabula o fez porque não pode vive-los, e quem os lê – e neles acredita, durante a leitura – encontra, em suas fantasias, os rostos e as aventuras que necessitava para ampliar sua vida. Essa é a verdade que as mentiras da ficção expressam: as mentiras que somos, as que nos consolam e que nos desagravam das nossas nostalgias e frustrações. Assim, que confiança podemos ter nos testemunhos dos romances sobre a sociedade que os produz? Esses homens eram assim? Eles o eram, no sentido de que assim queriam ser, de que assim se viam amar, sofrer e desfrutar. Essas mentiras não documentam suas vidas, mas os demônios que as sublevaram, os sonhos nos quais se embriagaram para que a vida que viviam fosse mais tolerável. Uma época não está povoada somente de seres de carne e osso, mas também de fantasmas, nos quais esses seres se transformam para romper as barreiras que os limitam e os frustram.

As mentiras dos romances nunca são gratuitas: preenchem as insuficiências da vida. Por isso, quando a vida parece plena e absoluta e, graças a uma fé que tudo justifica e absorve, os homens se conformam com seus destinos, os romances não prestam serviço algum. As culturas religiosas produzem poesia, teatro e, raras vezes, grandes romances. A ficção é uma arte de sociedades em que a fé experimenta alguma crise, em que faz falta crer em algo, onde a visão unitária, confiante e absoluta foi substituída por uma visão rachada, e por uma incerteza crescente sobre o mundo em que se vive e sobre o outro mundo. Além da amoralidade, as entranhas dos romances aninham certo ceticismo. Quando a cultura religiosa entre em crise, a vida parece escapulir dos esquemas, dogmas e preceitos que a sujeitam e se transforma em caos: esse é o momento privilegiado para a ficção. Suas ordens artificiais proporcionam refúgio, segurança, e nelas se desdobram livremente aqueles apetites e temores que a vida real incita, e não consegue saciar ou conjurar. A ficção é um sucedâneo transitório da vida. O regresso à realidade é sempre um empobrecimento brutal: a comprovação de que somos menos do que sonhamos. O que significa que, ao mesmo tempo, os livros de ficção aplacam transitoriamente a insatisfação humana e também a atiçam, esporeando os desejos e a imaginação.

Os inquisidores espanhóis compreenderam o perigo. Viver a vida que não se vive é fonte de ansiedade, um desajuste com a existência que pode se tornar rebeldia, uma atitude indócil, indisciplinada, diante do estabelecido. É compreensível, então, que os regimes que aspiram a controlar totalmente a vida desconfiem das obras de ficção, e que as submetam a censuras. Sair de si mesmo, ser outro, ainda que seja ilusoriamente, é uma maneira de ser menos escravo e de experimentar os riscos da liberdade.”


CODA: in A verdade das mentiras, Mário Vargas Llosa, Editora Arx, Siciliano S.A, S. P., 2003.

Mário Vargas Llosa nasceu em Arequipa, Peru, em 1936. Escritor profícuo, desde seus primeiros romances obteve sucesso de público e crítica. Possui uma obra é ampla, e premiada. Para o Brasil, tem especial interesse o romance A GUERRA DO FIM DO MUNDO, sobre Canudos, trabalho grandioso. Exerce intensa atividade política em seu país. Mário Llosa é cidadão do mundo digno. O livro A verdade das mentiras reúne vários de seus artigos e ensaios sobre livros e autores. Como escreve a tradutora Cordélia Magalhães 'é uma comovedora declaração de amor à literatura'.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Sonhos Possíveis

(Dom Quixote - Gustave Dorè)


“ – No puede negar su origen pueblerino. En los pueblos, además del tiempo existencial y el astronómico, hay otro tiempo…

- Sí, puede ser. En general, ¿sabe?, pienso que pertenezco a una raza en extinción. Creo en los cafés, creo en el diálogo, creo en el arte, creo en la dignidad de la persona, creo en la libertad. ¿Quiénes y cuántos creen todavía en esas paparruchadas? El diálogo ha sido reemplazado por el insulto, la libertad por el secuestro y las cárceles políticas, de un signo o del signo inverso. ¿Qué diferencia hay entre una dictadura policial de derecha y una de izquierda? ¿Acaso hay torturas malas y torturas beneficiosas? Qué atrasado soy, ¿se da cuenta? Creo en la gris y mediocre democracia, la única que en definitiva permite pensar libremente y preparar una sociedad mejor…”


CODA: in Entre la Letra y la sangre – Conversaciones con Carlos Catania. Ernesto Sábato, Seix Barral, Buenos Aires, 2003.


sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

CONVITE


Dói aqui.

Ser tão só.

Quase tudo.

Dói em mim.

Ai de Nós.

Haiti.


Quase-Ser-Tão te convida a vir conosco fazer arte para o Haiti (ou melhor, para si mesmo!) Estamos nos organizando; faça o que quiser, mas faça. Se quiser, entre em contato com o clube. Vamos trabalhar com arte pela vida.