terça-feira, 16 de março de 2010

DA ALMA


Uma após uma as ondas apressadas

Enrolam o seu verde movimento

E chiam a alva espuma

No moreno das praias.

Uma após uma as nuvens vagarosas

Rasgam o seu redondo movimento

E o sol aquece o espaço

Do ar entre as nuvens escassas.

Indiferente a mim e eu a ela,

A natureza deste dia calmo

Furta pouco ao meu senso de se esvair o tempo.

Só uma vaga pena inconseqüente

Pára um momento à porta da minha alma

E após fitar-me um pouco

Passa, a sorrir de nada.


CODA: in Odes de Ricardo Reis/Fernando Pessoa, Obra Completa, Nova Aguilar S. A., RJ, 1986.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A PRIMEIRA VEZ

(TERCEIRO CONTO DO LIVRO 'INCONTÁVEIS') A PRIMEIRA VEZ Ele bate a coronha da arma na minha cabeça e fico momentan...