quinta-feira, 4 de março de 2010

Da literatura:

“Outra razão para dar à literatura um lugar importante na vida das nações é que, sem ela, o espírito crítico, motor da mudança histórica e melhor avalista de sua liberdade, com que contam os povos, sofreria uma perda irremediável; porque toda boa literatura é um questionamento radical do mundo em que vivemos. Em todo grande texto literário, e, sem que muitas vezes o tenham querido seus autores, respira uma predisposição sediciosa.

A literatura não diz nada aos seres humanos satisfeitos com sua sorte, que se contentam com a vida tal como a vivem. Ela é alimento de espíritos indóceis e propagadora da inconformidade, um refúgio para aquele a quem falta algo na vida, para não ser infeliz, para não se sentir incompleto, sem se realizar em suas aspirações. Sair para cavalgar junto ao esquálido Rocinante e seu desbaratado ginete pelos descampados de La Mancha, percorrer os mares em busca da baleia branca com o capitão Ahab, beber o arsênico com Emma Bovay ou nos converter num inseto com Gregório Samsa, é uma maneira inteligente que inventamos para desagravar a nós mesmos das ofensas e imposições dessa vida injusta, que nos obriga a ser sempre os mesmos, quando gostaríamos de ser muitos, tantos quanto exijam para se aplacar os desejos incandescentes de estamos possuídos.”

CODA: in A verdade das mentiras, Mario Vargas Llosa, ARX, SP, 2003. (ver outras postagens sobre Vargas Llosa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário