terça-feira, 9 de março de 2010

Poetas Maiores: Paul Eluard por Octávio Paz

DE TODO LO QUE HE DICHO...
De todo lo que he dicho de mí ¿qué queda?
Guardé falsos tesoros en armarios vacíos
Un inútil navío une mi infancia a mi fastidio
Mis juegos a la fatiga
Una escapada a mis quimeras
La tempestad al arca de noches donde estoy solo
Una isla sin animales a los animales que amo
Una mujer abandonada a la mujer siempre nueva
En vena de belleza
Única mujer real
Aquí allá
Dando sueños a los ausentes
Su mano tendía hacia mí
Se refleja en la mía
Digo buenos días sonriendo
No se piensa en la ignorancia
Y la ignorancia reina
Sí, yo lo esperé todo
Y desesperé de todo
De la vida el amor el olvido el sueño
De la fuerza la debilidad
Ya nadie me conoce
Mi nombre mi sombra son lobos.

CODA: in Octavio Paz, Versiones y Diversiones. Editorial Joaquín Moriz, México, 1974.
Paul Éluard, pseudônimo de Eugène Grindel (1895-1952), poeta francês. Entre suas obras estão Os animais e seus homens (1920), Capital da dor (1926), O amor, a poesia (1929), Os olhos férteis (1936), Ao encontro alemão (1944) e Uma lição de moral (1949). Tornou-se conhecido como O Poeta da Liberdade. Em janeiro de 1942, seu poema “Liberté” (Liberdade), composto por vinte e uma estrofes, é lançado por aviões ingleses sobre a França. Para que o poema fosse impresso na Inglaterra, foi contrabandeado, desde a França ocupada, pelo pintor pernambucano Cícero Dias.
Embora o trabalho de Paul Éluard tenha conhecido várias fases – foram dezenas de títulos publicados entre 1913 e 1952, ano de sua morte -, Paul Éluard tornou-se conhecido principalmente pela sua poesia surrealista. O poeta formou-se num momento extraordinário da vida cultural francesa. Conviveu intensamente com André Breton, Louis Aragon, Picasso, De Chirico, Dalí, Magritte, Miró, Man Ray e Chagall.
Aos 16 anos, Paul Eluard contraiu tuberculose. Na Suíça, no Sanatório de Davos, ele conhece uma jovem russa, Helena Diakonova, que ele chama de Gala (ali conheceu também a Manoel Bandeira). Casa-se com ela em 21 de fevereiro de 1917. Em 11 de maio de 1918, nasce sua filha Cecile. Viveram juntos até 1929. Gala em seguida se casaria com o pintor espanhol Salvador Dalí.
Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade traduziram o poema “Liberté” a quatro mãos, ainda nos anos 40.

Nenhum comentário:

Postar um comentário