quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Aos poucos, retornamos ao nosso próprio tempo (cumpriremos a promessa de nos encontrarmos):


Poética

Manuel Bandeira


Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo
manifestações de apreço ao Sr. Diretor
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho
vernáculo de um vocábulo
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis

Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.

De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar
com cem modelos de cartas e as diferentes
maneiras de agradar à mulheres, etc.
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare

- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.


(As musas - Eustache Le Sueur)

Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho nasceu em Recife. Com 17 anos foi para São Paulo a fim de ingressar na Escola Politécnica (1904). No ano seguinte ficou tuberculoso. Por esse motivo, abandonou os estudos, passando temporadas em várias cidades buscando climas mais propícios. Em 1913, vai à Suíça, em busca de tratamento, regressando em 1914 pelo início da Primeira Grande Guerra. Seu primeiro livro é publicado em 1917: A Cinza das Horas. Manuel Bandeira pertence à Primeira Fase do Modernismo Brasileiro. Muito embora não tenha participado da Semana de 22, seu poema Os Sapos provocou reações radicais na segunda noite do evento. O poeta morreu com mais de 80 anos, em 13 de outubro de 1968. Suas principais obras são: Cinza das Horas, Carnaval, O Ritmo Dissoluto, Libertinagem, Lira dos Cinquent'anos, Estrela da Tarde, Estrela da Vida Inteira, Crônicas da Província do Brasil, Itinerário de Pasárgada, Fraude de Papel, entre outras. Foi um grande tradutor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário