quinta-feira, 28 de outubro de 2010

PERSONA


3. Quarta-feira


Ele diz que não sabe como nem onde se perdeu. Dizer isso já é muito difícil, mas deve admitir que se perdeu, é verdade, não tem jeito de negar, e agora que já falou, quer dizer o resto: ‘decidi, não quero mais essa vida miserável’, cansou-se, não sabe ainda o quê fazer, mas quer fazer, seja lá o que for, fará! Cansou-se de ser infeliz. Ao mesmo tempo, acha tudo um absurdo extremado, uma loucura, afinal sua vida não é tão ruim assim, é bem razoável, já disse isso, disse mil vezes, pensando melhor nem deveria se queixar de coisa alguma. Mas o fato é que se sente miserável, parece que alguma coisa ficou não sabe onde, não sabe o quê, mas alguma coisa ficou fora, ou melhor, quer dizer, lá atrás, atrás? É, parece. ‘Em mim, mas fora de meu alcance’, ele acha isso, assim ele o diz. O pior é que também se acha muito bonzinho, muito certinho, muito sincero, enfim, é muito tudo, mas também é muito ‘inho’. Fica vermelho. Ligeiramente trêmulo, olha para um lado, para outro, para cima, para baixo; não está procurando nada, está se escondendo. E de repente: ‘Eu queria não ser tão correto’. Fica mais vermelho. ‘Acabei de dizer uma asneira’. Precisa ser forte, corajoso, mas é difícil, não tem ajuda, ninguém ajuda, aliás, a verdade é que ninguém o vê, repete que já disse isso também, e que todos são idiotas, babacas, mas não quer sentir pena, nem de si nem dos outros, pena não, mas são tiranos, não têm noção, o obrigam, só dizem asneiras, só repetem a mesma porcaria. E por que as coisas não dão certo só pra ele? Onde é que ele erra? Por que tudo é tão complicado? Bom, acha que as pessoas é que são complicadas, que gostam de complicar. Será mesmo verdade que falta coragem pra ser feliz? Ah, não. Isso não. Coragem ele tem, ele quer, mas não o deixam em paz e ele sente bobo, se preocupa com todo mundo, e se esquece de si. É sempre assim. Talvez ele seja uma pessoa chata, é, muitas vezes ‘eu me sinto muito chato’. Mas não é sempre, claro que não, e depois, ele é de carne e osso, tem dia que é mesmo uma merda. Uma grande merda. O dia. Ou ele, sabe-se lá. Tá cansado, já falou, cansado de tentar entender, de tentar fazer dar certo. Queria gostar de viver sozinho, numa boa, não ligar pra nada, nem pra ninguém, assim como a maioria faz. 'Este é meu problema', é que ele diz entre lágrimas, ele diz que queria chutar o balde, como todo mundo, mas não chuta. Mas que queria isso, ah, queria. Mas diz que é só da boca pra fora, que na hora H, hãã, que nada, faz nada, aceita tudo do mesmo jeito. Estranho, né? Não dizem que basta desejar? Que o desejo é a mola da vida? Com ele não funciona assim. Tem alguma coisa errada porque desejar, ele deseja. Oh, se deseja... quanta coisa! Só que não adianta. Nada acontece como ele deseja, quer dizer, mais ou menos, porque de fato, o seu desejo...


- E o quê você deseja?

Magda Maria Campos Pinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário