sexta-feira, 15 de outubro de 2010

porque estou com saudade:


"Sereias

Ao longo do tempo, as sereias mudam de forma. Seu primeiro historiador, o rapsodo do décimo segundo livro da Odisséia, não nos diz como eram; para Ovídio, são aves de plumagem avermelhada e rosto de virgem; para Apolônio de Rodes, da metade do corpo para cima são mulheres e para baixo, aves marinhas; para o mestre Tirso de Molina (e para a heráldica), ‘metade mulheres, metade peixes’. Não menos discutível é sua categoria; o dicionário clássico de Lemprière entende que são ninfas, o de Quicherat que são monstros e o de Grimal que são demônios. Moram numa ilha do poente, perto da ilha de Circe, mas o cadáver de uma delas, Partênope, foi encontrado em Campânia, e deu seu nome à famosa cidade que agora se chama Nápoles, e o geógrafo Estrabão viu sua tumba e presenciou os jogos ginásticos que periodicamente eram celebrados para honrar sua memória.
A Odisséia conta que as sereias atraiam e faziam naufragar os navegantes e que Ulisses, para ouvir seu canto, e não perecer, tapou com cera os ouvidos dos remadores e ordenou que o amarrassem ao mastro. Para tentá-lo, as sereias lhe ofereceram o conhecimento de todas as coisas do mundo: ‘Jamais alguém por aqui passou, em nau escura, que não escutasse a melíflua voz que sai de nossas bocas; mas só partiu, de pois de se ter deleitado com ela e de ficar a saber mais coisas, pois conhecemos tudo quanto, por vontade dos deuses, Argivos e Troianos sofreram na vasta Tróia, bem como o que sucede na terra fecunda (Odisséia, XII).
Uma tradição recolhida pelo mitólogo Apolodoro, em seu Biblioteca, conta que Orfeu, da nave dos argonautas, cantou com mais doçura que as sereias e que estas se precipitaram ao mar e se transformaram em rochas, porque sua lei era morrer quando alguém não sentisse seu feitiço.
Também a esfinge se precipitou do alto quando decifraram seu enigma.
No século VI, uma sereia foi capturada e batizada no norte de Gales, e figurou como uma santa em certos almanaques antigos, sob o nome de Murgen. Outra, em 1403, passou por uma brecha de um dique e viveu em Haarlem até o dia de sua morte. Ninguém a compreendia, porém ensinaram-na a fiar e venerava como por instinto a cruz. Um cronista do século XVI argumentou que não era um peixe porque sabia fiar, e que não era uma mulher porque podia viver na água.
O idioma inglês distingue a sereia clássica (siren) das que têm cauda de peixe (mermaids). Na formação desta última imagem teriam influído por analogia os tritões, divindades do cortejo de Poseidon.
No décimo livro da República, oito sereias presidem a revolução dos oito céus concêntricos.
Sereia: suposto animal marinho, lemos num dicionário brutal. "

In O livro dos seres Imaginários, Jorge Luis Borges e Margarita Guerrero, Editora Globo,RJ, 1981.

Coda: Então... pra mim, são mulheres. Simples mulheres. É isso. E para seu deleite sugiro, Os Contos, de Giuseppe Tomasi di Lampedusa, Berlendi & Vertecchia Editores, SP, 2002, onde podemos encontrar um delicioso conto, A sereia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário