sábado, 25 de dezembro de 2010

Viva Carolina, ser quase tão imenso!


Com saudades de Carolina, QuaseSerTão deseja vida longa e boa para mamãe, papai, Marcela e Luisa, e fica muito feliz com essa criançada linda e especial crescendo gente humana alegre saudável artista forte em paz....

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal!


NÃO DEIXE O AMOR PASSAR


Carlos Drummond de Andrade


Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.


Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.


Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.


Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.


Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

PERSONA

(tela de Sabrina Hemmi)


9. Terça-feira

Ela levantou-se pesadamente. Pareceu-me estar colada na cadeira, foi um grande esforço ficar em pé. Arrastou-se. As pernas estavam travadas, o peso do mundo estava sobre seus ombros. Pensei. Jogou-se na cadeira, respirava pela boca, tentou sorrir, saiu apenas um esgar: irônico? Envergonhado? Cínico? Não. Não. Cansado. Exausto. E triste, muito triste. Sentei-me ao seu lado e ofereci água. Outro esgar. Irônico? Desdenhoso? Não saberia dizer. Digo que me sentei ao lado de um enigma triste. Tentei fugir para Drummond. Claro enigma. Não consegui, ouvi um suspiro bem perto, e dessa vez Drummond não me socorreu. Voltei-me para o suspiro. A respiração que era ofegante se acalmava, e apareceram grandes lagos em seus olhos. Estes brilhavam negros uma tristeza inteira, aquela que há pouco eu apenas supunha. Calada, emudeci de vez. Exausta, ela sussurrou ‘não quero me sentir ridícula, não quero me sentir idiota, não sou burra, não quero ter uma crise histérica, não quero trabalhar nem brilhar, nem ganhar dinheiro, muito menos ser dona de... ’ A estas alturas ela já estava falando alto, e os lagos transbordavam face abaixo. Soluçou, calando-se. Tentou sorrir e soluçou novamente. Retomou o sussurro ‘não vou arrancar os cabelos, não vou gritar... ‘. E gritou: ACONTECE QUE EU NÃO QUERO FAZER MAIS NADA. NADA. ENTENDEU? FILHO? É UMA BABAQUICE, SABIA? UMA ARMADILHA PRA GENTE SENTIR CULPA O RESTO DA VIDA, PRA GENTE MENTIR O RESTO DA VIDA. VIDA? QUE MERDA É ESTA? VOCÊ SABE? NÃO, VOCÊ NÃO SABE NADA. VOCÊ IMAGINA TUDO... As lágrimas secaram. Calou-se. Respirou fundo. Murmurou: ‘Você acha que acabei de ter uma crise histérica?’. Sorri. Cochichei: ‘Acho que não acabou’.
Magda Maria Campos Pinto

Viva Sofia! Linda, loura, e japonesa!


Sofia também agradece ao QuaseSerTão!

Boas Festas!

PS: fotos tiradas dias 24/11 e 27/11 respectivamente.

Para Rodrigo M. Com os votos de vida boa.

“(...) Quiseram falar, mas não lhes foi possível. Havia lágrimas nos seus olhos. Estavam ambos pálidos e abatidos; mas naqueles rostos doentios e pálidos brilhava já a aurora de um renovado futuro, de uma plena ressurreição para uma nova vida. O amor ressuscitava-os, o coração de um encerrava infinitas fontes de vida para o coração do outro. Resolveram esperar e ter paciência. A ele, ainda lhe faltavam sete anos; e, até então, quantos sofrimentos insuportáveis e quanta felicidade infinita! Ele ressuscitara e sabia-o, sentia-o em todo o seu ser renovado, e ela... ela vivia unicamente da vida dele! Na noite desse mesmo dia, quando já tinham fechado os alojamentos, Raskólnikov estava deitado nas esteiras e pensava nela. Nesse dia até se lhe afigurava que todos os presos, que antes tinham sido seus inimigos, o olhavam já com outros olhos. Até falava com eles e lhes respondia afetuosamente. Agora recordava-o, mas não teria de ser assim: não deveria talvez, agora,mudar tudo? Pensava nela. Lembrava-se de como a mortificara continuamente, destroçando-lhe o coração; recordava o seu rostozinho pálido, mas, agora, essas recordações quase não o afligiam; sabia com que infinito amor ia recompensar agora as suas dores. E que eram agora todos, todos aqueles sofrimentos do passado? Tudo, até o seu crime, até a sua condenação e deportação lhe pareciam agora, nesta primeira exaltação, um fato exterior, alheio, como se não tivesse relações com ele. Aliás, nessa noite não podia pensar longa e fixamente em nada, concentrar o pensamento em qualquer coisa; tampouco poderia resolver, então, conscientemente, o que quer que fosse; a única coisa que fazia era sentir. Em vez da dialética surgia a vida, e já na sua consciência devia elaborar-se algo de totalmente distinto”.

In Crime e Castigo , Dostoievski, Abril Cultural, SP, 1979.
ps.: veja o filme, você vai gostar.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Quase-Ser-Tão deseja a vocês:


Uma curiosidade infinita,
Uma infinita indiferença para com o tempo,
E a admirável autoconfiança felina.

Lembrando: QuaseSerTão memória


Cristina, André, Valéria, Vinicius, Amel, Lucas, Graça, João 2, Felipe, Leandro, Letícia, Clara, Teresa, Marcos, Paola, Marcelo, Blanda, Lourdinha, Soraia..... gente que trabalhou com a gente, gente ser quase tão. Refletimos e desejamos reflexão.

domingo, 19 de dezembro de 2010

De Gisella para os amigos do QuaseSerTão.


Gracias, Gisella. Com nossos melhores votos de vida nova e plena. Com calma, e beleza.

Um homem Inteligente Falando das Mulheres

Luiz Fernando Veríssimo

O desrespeito à natureza tem afetado a sobrevivência de vários seres e entre os mais ameaçados está a fêmea da espécie humana. Tenho apenas um exemplar em casa, que mantenho com muito zelo e dedicação, mas na verdade acredito que é ela quem me mantém. Portanto, por uma questão de auto-sobrevivência, lanço a campanha 'Salvem as Mulheres!’. Tomem aqui os meus poucos conhecimentos em fisiologia da feminilidade a fim de que preservemos os raros e preciosos exemplares que ainda restam:

Habitat: Mulher não pode ser mantida em cativeiro. Se for engaiolada, fugirá ou morrerá por dentro. Não há corrente que as prenda e as que se submetem à jaula perdem o seu DNA. Você jamais terá a posse de uma mulher, o que vai prendê-la a você é uma linha frágil que precisa ser reforçada diariamente.

Alimentação correta: Ninguém vive de vento. Mulher vive de carinho. Dê-lhe em abundância. É coisa de homem, sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro. Beijos matinais e um 'eu te amo' no café da manhã as mantém viçosas e perfumadas durante todo o dia. Um abraço diário é como a água para as samambaias. Não a deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial.

Flores: Também fazem parte de seu cardápio – mulher que não recebe flores murcha rapidamente e adquire traços masculinos como rispidez e brutalidade.

Respeite a natureza: Você não suporta TPM? Case-se com um homem. Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia, discutir a relação. Se quiser viver com uma mulher, prepare-se para isso.

Não tolha a sua vaidade: É da mulher hidratar as mechas, pintar as unhas, passar batom, gastar o dia inteiro no salão de beleza, colecionar brincos, comprar muitos sapatos, ficar horas escolhendo roupas no shopping. Entenda tudo isso e apóie.

Cérebro feminino não é um mito. Por insegurança, a maioria dos homens prefere não acreditar na existência do cérebro feminino. Por isso, procuram aquelas que fingem não possuí-lo (e algumas realmente o aposentaram!). Então, aguente mais essa: mulher sem cérebro não é mulher, mas um mero objeto de decoração. Se você se cansou de colecionar bibelôs, tente se relacionar com uma mulher. Algumas vão lhe mostrar que têm mais massa cinzenta do que você. Não fuja dessas, aprenda com elas e cresça. E não se preocupe, ao contrário do que ocorre com os homens, a inteligência não funciona como repelente para as mulheres.

Não faça sombra sobre ela. Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu lado, nunca atrás. Assim, quando ela brilhar, você vai pegar um bronzeado. Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pé-na-bunda. Aceite: mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar. O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para motivar os próprios. Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará salvando a si mesmo. É, meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, vire gay.

Só tem mulher quem pode!


Quase-Ser-Tão deseja a vocês:


A Luz.

O Tempo.

O Encanto.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Saudades.... QuaseSerTão, Drummond, eternamente...


QuaseSerTão trabalhando: Maggy, pernas de Bella, Sarah, barriga de Cíntia, braço de Ana: todos juntos somos fortes.

Bella dança, Magda fala, e sempre para Drummond ...

Outro dia, outra letra, outro poeta... vocês notaram?
Em 2011 continuaremos...

Quase-Ser-Tão deseja a vocês:


O vigor da beleza,
A beleza da paz,
A paz.

De Wolf para Pedro:

(foto de Gregory Colbert)


"Se procurar bem você acaba encontrando.


Não a explicação (duvidosa) da vida,


Mas a poesia (inexplicável) da vida."




Carlos Drummond de Andrade

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Descubra:

O beijo

www.sabrinahemmi.com

Sabor suave.

Deleite intenso.

Persistência suficiente.

Delicadeza plena.

Trabalho permanente.

Sentindo sentir sentido.

Conheça Sabrina Hemmi.

Tão ser quase.

Linda e única.

Quase-Ser-Tão deseja a vocês:


Lembranças em cores,
Cores impensáveis,
Pensamentos doces,
Possibilidades infinitas...

De Pedro para Lóri:



“Não sei se é amor que tens, ou amor que finges,
O que me dás. Dás-mo. Tanto me basta.
Já que o não sou por tempo,
Seja eu jovem por erro.
Pouco os deuses nos dão, e o pouco é falso.
Porém, se o dão, falso que seja, a dádiva
É verdadeira. Aceito,
Cerro olhos: é bastante.
Que mais quero?"

In Fernando Pessoa, Obra Completa, Odes de Ricardo Reis, Nova Aguilar, RJ, 1986.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Quase-Ser-Tão agradece e abraça:

Rosane, Fernando, Helder, Sr. Orlando, Bel, Sarah, Sofia 1, Sofia2, Roberta, Pedro, Vanda, Marquinhos, Vagner, Sousete, Ana, Catarina, Rafa, Del, Alisson, Gabriel, Mateus, Sabrina...

Quase-Ser-Tão deseja a vocês:


Sono profundo,
sonhos profusos,
descansos completos.
Paz exuberante.
Simplesmente.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

QuaseSerTão lembra...


Celebra e comemora 2010. Agradece. E espera por mais um ano de trabalho e aprendizagem...

Zélia, João, Magda, Giovana, Patrícia, Luiz Felipe, Ricardo, Rodrigo... pela arte de conviver!

de Lóri para Wolf:


“(...) Foi o próprio Freud quem admitiu em 1895: “Não fui sempre um psicoterapeuta...; tenho ainda, eu mesmo, uma impressão curiosa de que as histórias clínicas que escrevo devem ser lidas como novelas...”
A arte de contar é conseqüente à arte de saber escutar, a qual ‘equivale quase àquela do bem falar’, escreve Jacques Lacan em 1964. As implicações levam longe: diante da dificuldade de descrever o desenvolvimento de um caso clínico, Freud evoca o trabalho artístico, falando mesmo de ‘composições poéticas inconscientes’. Certo: a clínica psicanalítica é também uma poética (poiésis): saber perceber as dobras da narrativa, saber ouvir as línguas que nela falam, saber entender o que foi esquecido, deslocado, superposto, transposto, travestido, repetido. A palavra ‘é semente de operação’ (Dante, O Banquete): com ela se faz e se desfaz, se pensa e se fantasia, se desenha e se projeta incessantemente a realidade. Mas é uma realidade a ser entendida como Wirklichkeit , ou seja , uma realidade que , enquanto efeito de um agir e e um produzir, se plasma na eficácia da palavra.
A clínica psicanalítica foge do modelo positivista. E a noção de ciência que ela implica é bem mais ampla que o critério positivista. A ciência da escuta inventada por Freud – que não se resolve na aplicação de uma ‘técnica’, como pensa a versão medicalista adotada pela psicoterapia – acentua aquela ‘ciência do particular’, diante da qual é preciso sabedoria, prudência (a phronèsis aristotélica). Quando muito, no ato psicanalítico não há téchne sem phronèsis, ou seja, sem aquela prudência cuja natureza é a mesma que encontramos no exercício da júris-prudência ou da júris-dição. O ato de palavra é um ato jurídico que tem uma eficácia material sobre a realidade ‘A cura pela fala’ (no duplo sentido): é a primeira formulação com que Freud definiu o método psicanalítico.


In As cidades de Freud, Giancarlo Ricci, Jorge Zahar Editor, RJ, 2005.

Quase-Ser-Tão deseja a vocês:


A redescoberta de uma vida doce,
da vida imprevista,
impossível,
incrivelmente bela,
devagar.
E vagar...

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

De Rosane...


Para Rosane: obrigada com muita saudade e a certeza de novos ânimos e belos encontros, com a mesma alegria, confiança e desapego de sempre. Felizes festas!!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Recado


ei, John, tudo bem com você? tomara que sim. É só pra te dizer que o sonho não acabou; ainda ontem, encontrei-me com muita gente que se lembrava de ti, que chorava por ti. Saudades. Até....

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Puro ser Tão!


QuaseSerTão aplaude Luiz Felipe, este grande ser quase tão imenso...

http://www.youtube.com/watch?v=v04Iy-fob4s
http://www.youtube.com/watch?v=FM5dJ6KPbwM
http://www.youtube.com/watch?v=flMnuJqzktA

O 1º e o 2º link são "Música da Copa" (letra dele), e o 3º link: "Aladim", "Jardim da Fantasia" e "Serenata Noturna"(parte ).
Parabéns à grande Katarina, e os votos de vida feliz e de trabalho brilhante de sempre!

domingo, 5 de dezembro de 2010

Festejando Sabrina Hemmi: Em silêncios sendo...

“(...) Arte que cantei, todas as cachaças. Depois os outros à fanfa entoaram – mesmo sem me entender, só por bazófias – mas rogando no estatuto daquela letra e retornando meu rompante. Cantavam melhor, cantando. De todos, menos vi Diadorim: ele era o em silêncios. Ao de que triste; e como eu ia poder levar em altos aquela tristeza? Aí – eu quis: feito a correnteza. Daí, não quis, não, de repentemente. Desde que era o chefe, assim eu via Diadorim de mim mais apartado. Quieto. Muito quieto é que a gente chama o amor: como em quieto as coisas chamam a gente. E já se estava antefrente do Paracatu – que também recovava o pouco e escasso. Esbarrei não, nem examinei o adiante. Demiti meu cavalo n’água. Os outros me acompanharam. Assim atravessamos."

in Grande Sertão: Veredas, Guimarães Rosa.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Não deixe o samba morrer...




Dia nacional do samba: data em que Ari Barroso visitou Salvador, Bahia, bem depois de ter composto o samba Na baixa do sapateiro. Iniciativa do vereador baiano, Luis Monteiro da Costa, para homenagear Ary Barroso, a festa virou uma comemoração nacional.
Cartola, poeta, sambista, fundador da Escola de Samba da Mangueira....

Presente:


sem saudade de você

sem saudade de mim

o passado passou enfim


(Alice Ruiz)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Primeira lição: imperdível. Por Ana Araújo.


Queridos,

estou formando no Palácio! E convido vocês para nosso espetáculo de formatura, Delírio em Terra Quente.

Nessa terra quente que é nossa América Latina, nos rastros do pensamento do Realismo Maravilhoso,
mesmo o que parece delírio é perfeitamente real. Presencia-se o cotidiano estranhamente familiar
de uma família com seu sofá, um bordel dos sonhos, um vendedor de últimas palavras
e três amigos que comemoram o retorno de um deles do exílio.

Dias 09 a 12 de dezembro, às 20h, e de 14 a 16 de dezembro, às 19h e 21h30.

No espaço Ambiente, Rua Grão Pará, 185. Sta. Efigênia. (Perto da praça do quartel, atrás do Lapa)

Entrada franca. Distribuição de senhas no local.

Espero vocês lá!

abraços,

Ana

DEZEMBRO!!!


Sabe, gente, a gente pode ser legal. Sabe, gente, ser legal é mais inteligente, mais alegre e mais belo... Ser legal não engorda, não dá dor de cabeça nem insônia. Proposta de dezembro: descobrir, nos mais diversos sentidos da palavra, a diferença que faz a alegria de ser. A alegria que inventa a vida.