sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

“Há sempre um copo de mar para um homem navegar"

Você vai perder?

(Cildo Meireles)

Esse é o Título da 29ª Bienal de São Paulo que aconteceu entre 25 de Setembro e 12 de Dezembro de 2010. Baseado num verso do poeta Jorge de Lima, sintetiza a idéia de que a utopia da arte está contida nela mesma. E deste infinito particular, cada um busca modificar o mundo. Por isso a conexão da arte com a política, também tema e ponto focal da Bienal.
A 29ª Bienal de São Paulo, que reuniu aproximadamente 850 obras de 159 artistas dos mais variados países, ganha agora fôlego extra com o projeto Itinerância: “29a Bienal de São Paulo - Obras selecionadas”. Obras selecionadas pelos curadores devem percorrer 12 cidades brasileiras até agosto de 2011. A primeira parada é Minas Gerais. De 18 de janeiro a 20 de março, 95 obras de 34 artistas da 29ª estão expostas em dois espaços em Belo Horizonte: Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes) e o Centro de Arte Contemporânea e Fotografia.
O recorte da 29ª Bienal destinado ao Palácio das Artes e ao Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, em Belo Horizonte, é dos mais significativos. A qualidade dos espaços, o grande interesse do público local pela arte contemporânea encontra eco no expressivo número de artistas mineiros presentes na mostra. É o caso, por exemplo, de Cinthia Marcelle, Sara Ramos e Matheus Rocha Pitta. Ao lado dos mineiros, destaque também obras de Jean-Luc Godard, Carlos Garaicoa, Gil Vicente, Hélio Oiticica, Lygia Pape, Flávio de Carvalho, entre outros.
As mostras da 29ª Bienal de São Paulo – Obras Selecionadas ficarão em exibição por cerca de dois meses em cada uma das 12 cidades por onde passará a itinerância. Além de Belo Horizonte, Salvador, Rio de Janeiro, Recife, Curitiba, Porto Alegre, Araraquara, Campinas, São Carlos, Piracicaba, Santos e Ribeirão Preto. As próximas paradas serão no MAM do Rio de Janeiro, com abertura prevista para 16 de março e no MAM de Salvador, em 19 de março.

Invenção de Orfeu
Jorge de Lima

II
A ilha ninguém achou
porque todos a sabíamos.
Mesmo nos olhos havia
Uma clara geografia.

Mesmo nesse fim de mar
qualquer ilha se encontrava,
mesmo sem mar e sem fim,
mesmo sem terra e sem mim

Mesmo sem naus e sem rumos,
mesmo sem vagas e areias,
há sempre um copo de mar
para um homem navegar.

Nem achada e nem não vista
nem descrita e nem viagem,
há aventuras de partidas
porém nunca acontecidas.

Chegados nunca chegamos
Eeu e a ilha movediça.
Móvel terra, céu incerto,
mundo jamais descoberto.

Indícios de canibais,
sinais do céu e sargaços,
aqui um mundo escondido
geme num búzio perdido.

Rosa de ventos na testa,
maré rasa, aljofre, pérolas,
domingos de pascoelas.
E esse veleiro sem velas!

Afinal: ilha de praias.
Quereis outros achamentos
além dessas ventanias
tão tristes, tão alegrias?

Um comentário:

  1. Palavras ditas, eternos poemas. Difícil de decifrar, porem fácil de entender. HEBER CARVALHO

    ResponderExcluir

Mia Couto na Casa Fiat de Cultura

Aos amantes de Mia Couto, uma oportunidade imperdível...                                                      Renato Parada Data:   d...