domingo, 27 de fevereiro de 2011

ps de ps:

E me lembro que de repente houve uma tristeza em mim. Um estranho em mim. Meu tamanho não era grande; ainda me vejo: tinha a altura da mesa, sobre a qual eu via alguns objetos e duas mãos de mulher, ágeis, manipulando aquelas coisas, todas ao mesmo tempo, eu pensava. Aroma de açúcar. Ruído de liquidificador. Dentro de mim, um coração teimoso, trêmulo, não me obedecia. E de repente, meus olhos viram a latinha de Pó Royal. E dentro dela, outra latinha. E desta, outra... E depois outra. E mais uma. Então, eu caí dentro da latinha, como Alice caiu na toca do coelho. Encontros possíveis. E como é que os nossos dois heróis poderão terminar juntos? Se entre eles houver uma atração que – como costuma acontecer com tais forças – seja proporcional ao inverso do quadrado das distâncias, então após um tempo finito algo explosivo ocorrerá. Costuma-se chamar de “singularidade” eventos desse tipo. E até mesmo o físico, normalmente obrigado a permanecer no campo da realidade e do finito, há de reconhecer que, nesse momento, velocidade, força e energia tornam-se infinitos. Scientific American Brasil. Edição Especial. Duetto. 2005. Obrigada, Marcel. E depois dei de pensar. Eu quero sair daqui. E agora, penso: ainda não encontrei a saída. E mora ainda uma tristeza em mim.

Magda Maria Campos Pinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário