sábado, 30 de abril de 2011

É bonita, é bonita e é bonita....


O fotógrafo brasileiro Carlos Henrique Reinesch foi o vencedor na categoria 'Sorrisos', do Sony World Photography Awards 2011, com a imagem de um homem com as pernas amputadas sorrindo enquanto vende fitas de Nosso Senhor do Bonfim, na Bahia.

E a vencedora da categoria 'Arte e Cultura' retratou uma sessão de cinema em Maharashtra, na Índia, feita pelo fotógrafo Amit Madheshiya.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

DANÇAR E DANÇAR:



O DIA INTERNACIONAL DA DANÇA é celebrado no dia de 29 de Abril. Neste dia também é comemorado o nascimento de Jean Georges Noverre (* 1727 | + 1810), o precursor e criador do ballet moderno. A comemoração foi introduzida em 1982, pelo Comitê Internacional da Dança da UNESCO com o objetivo de despertar a atenção do publico em geral para a importância da dança, e incentivar governos a lhe fornecerem um espaço próprio, em todo o sistema de educação, desde o ensino infantil até o ensino superior. Acreditamos e defendemos de maneira firme e decidida a presença da dança no sistema educacional; a educação (civilização, auto-conhecimento, consciência corporal, consciência dos limites e das potências...) começa  e continua pela relação consigo mesmo, isto é pelo CORPO. 



quinta-feira, 28 de abril de 2011

Ei gente... vamos lá, nosotros todos, a turma do bem... gente quase ser tão...

SuperConvite...

Então, fim de semana no Mercado Distrital do Cruzeiro.... também com as sinuosas linhas insinuantes da leveza de Rosane Palha...



Rua Ouro Fino, 452

(sexta e sábado de 10:00 às 20:00 e domingo de 10:00 às 16:00)
Imperdível!!

Acorde 7


Santa Sombra, ou a dor sonâmbula, crepuscular. Tarde demais. A dor inlocalizável há dias havia agudizado. As décadas de ilusão e de cuidados construíram o castelo que em poucos instantes ruíra, numa implosão impiedosa. Nenhum sonho sobreviveu, tudo tudo foi pedaço, amor fragmentado. Primeiro ele sem porque e sem razão começou a dizer não não e não. Depois vieram as presenças que eram ausências cruéis.
Bem cedo. Manhã clara, céu azul, vento suave. Bom dia do Sr. Antônio. Sorriso da D. Maria, votos de bom trabalho, preciosa oferta  ‘precisa de alguma coisa?’. Árvore da esquina explodindo em flores.  O moço da banca de revista sorri e oferece um cafezinho. No elevador, um perfume suave: alguém chegou antes. Na sala de espera, alguém olha com olhos amorosos. Um cheiro de esperança me recebe.
Depois eu me lembro dele. Uns olhos pequenos, vivos, ativos. Nada lhe escapava. Quando encontravam os meus, era só brilho. Pura acolhida, e a vida se tornava benção. Prazer simples e profundo de abraço inteiro.
 Retorna a dor que endurece os músculos. E músculos enrijecidos que trazem  dor. No fundo de tudo, o medo. Na superfície de tudo, a angústia. Entremeio, a mágoa. E afinal, nenhum por quê. Nenhuma justa razão: somente o vício: ‘quem pode mais?’. O vício do eu sei. A dureza da competição absoluta.
Eu, não posso. Eu, não sei. Me venci.
 
Magda Maria Campos Pinto

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Super Convite:

 No próximo final de semana, o Mercado Distrital do Cruzeiro recebe a feira de cerâmica mais legal da cidade. Você não deve perder; quasertaneiros chiquérrimos estarão lá.... 

Por exemplo, Paulo Neves, com peças 'labirínticas' maravilhosas como esta....

Pensamento do dia 2 - Primeira temporada

CLARICE:

“(...) uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para frente. Foi o apesar de, que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida. Foi apesar de, que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi. E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito, mas é o corpo que eu quero. Mas quero inteiro, com a alma também. Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso.”

terça-feira, 26 de abril de 2011

Acorde 6

Como assim? Não sei. Não sei mais. Menos ainda sei o que antes sabia. Porque eu pensava que sabia. Tudo que aconteceu,  aconteceu doendo. Mas vendo de aqui agora, parece que aconteceu tão velozmente eu nem aconteceu direito. Meu corpo está doído por todo; meu peso está grande, meus movimentos lentos. E eu? Que queria? Que... que eu podia?  Eu não podia morrer. Eu queria morrer? Quero. Tudo passou tão rápido, como um filme acelerado, embolado. Mesmo confuso, sem finais, cheio de finais, todos, tristes. Finais, pensei só os filmes têm finais. Triste como um domingo sem luz. Entretanto tenho tanto. Vejo tanto. Há tanto. Viverei. 

Magda Maria Campos Pinto
p.s: imagem do filme 'O leitor' (boa dica)

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Mais e mais votos de FELIZ PÁSCOA (aliás, pra quem ainda não descobriu: 'páscoa' é coisa pra ser vivida todo dia)


Carolina, Marcela e Luisa desejam feliz páscoa a todos nós, e QuaseSerTão se derrete com esta meninada linda que tá chegando aí.... Gracias, muchas gracias, chiquitas lindas, y hasta luego....

Passeio Legal: juntando a criançada....

Poesia, santa poesia...

O poeta e a poesia
 
Cora Coralina (1889-1985) 

Não é o poeta que cria a poesia. É sim, a poesia que condiciona o poeta. Poeta é a sensibilidade acima do vulgar. Poeta é o operário, o artífice da palavra. E  com ela compõe a ourivesaria de um verso. Poeta é ser ambicioso, insatisfeito, procurando no jogo das palavras, no imprevisto texto, atingir a perfeição inalcançável. O autêntico sabe que jamais chegará ao prêmio Nobel. O medíocre se acredita sempre perto dele. Alguns vêm a mim. Querem a  palavra, o incentivo, a apreciação. Que dizer a um jovem ansioso na sede precoce de lançar um livro... Tão pobre ainda a sua bagagem cultural, tão restrito seu vocabulário, enxugando lágrimas que não chorou, dores que não sentiu, sofrimentos imaginários que não experimentou. Falam exaltados de fome e saudades, tão desgastadas de tantos já passados. Primário nos rudimentos de sua escrita e aquela pressa moça de subir. Alcançar estatura de poeta, publicar um livro. Oriento para a leitura, reescrever, processar seus dados concretos. Não fechar o caminho, não negar possibilidades. É a linguagem deles, seus sonhos. A escola não os ajudou, inculpados, eles. Todos nós temos a dupla personalidade. O id e o ego. Um representa a sua vida física, material completa. Pode ser brilhante, enriquecida de valores que ajudam a ser felizes, pode ser angustiada e vacilante, incerta, insatisfeita. Mesmo possuindo o que deseja, nada satisfazendo. O id representa sua vida interior paralela, ambivalente, exercendo seu comando em descargas nervosas, no eterno conflito entre a razão e o impulso incontrolado. Dupla vida inter e extra, personalidade se contrapondo. Pode ser trivial e dependente, podemos fazê-la rica e cheia de nobreza, nos valendo da força incomensurável do pensamento positivo emanado da vida interior que é o nosso mundo, invisível a todos, sensível ao nosso ego. Há sempre uma hora maldita na vida de um homem. Pode levá-lo ao crime e às paredes sombrias de uma cela escura. Um curto circuito nas suas baterias carregadas, uma descarga nas linhas de transmissão potencial. Daí, fatos aberrantes que surpreendem. Conclusões demolidoras de um passado brilhante...

ps: obrigada, Rosane

domingo, 24 de abril de 2011

Muito mais feliz páscoa....

Sofia deseja uma  feliz páscoa para todos os amigos do QuaseSerTão!

FELIZ PÁSCOA!!

Sabe, gente, seguinte... ovo de páscoa dá em árvore, é muito fácil encontrar. Basta cuidar de uma árvore, bater um papo legal com ela, e fazer um combinado. Desejamos a todos que encontrem suas árvores e colham seus ovos....


sábado, 23 de abril de 2011

Dia dos meus melhores amigos.... LIVROS!!

Guimarães Rosa, gatos, livros....................


Primeira temporada de 'Pensamento do dia' - 1


“(...) De forma estranha ele vos serve, Mestre!
Não é terrestre a nutrição do louco,
Fermento ele impele ao infinito,
Semiconsciente é, de seu vão conceito.
Do céu exige o âmbito irrestrito.

Como da terra o gozo mais perfeito,
E o que lhe é perto, bem como o infinito,
Não lhe contenta o tumultuoso peito”.

(Mefistófeles descreve Fausto para Deus, em ‘Fausto”, de Goethe)




sexta-feira, 22 de abril de 2011

Quase me esquecia...


22 de abril é também dia da TERRA!!

Por favor, pensem nisso...

Dia 22 de abril: descobrimento do Brasil. Brasil em 7 imagens










Apenas alguns dos muitos ingredientes à nossa disposição, entre tantos.... que temos criado?

Poesia:

NÃO MAIS

Czeslaw Milosz


Preciso contar um dia como mudei

Minha opinião sobre a poesia e por que

Me considero hoje um dos muitos

Mercadores e artesãos do Império do Japão

Compondo versos sobre a floração da cerejeira,

Sobre crisântemos e a lua cheia.



Se eu pudesse descrever as cortesãs

De Veneza, como incitam com uma vareta o

pavão no pátio

E desfolhar do tecido sedoso, da cinta nacarina

Os seios pesados, a marca

Avermelhada no ventre onde o vestido se

abotoa,

Ao menos assim como as viu o dono das

galeotas

arribadas àquela manhã carregando ouro;

E se ao mesmo tempo pudesse encerrar seus

pobres ossos

No cemitério, onde o mar oleoso lambe

o portão,

Em palavras mais duráveis que o derradeiro

pente

Que entre carcomas sob a lápide, só, espera

pela luz.


Não duvidaria. Da resistência da matéria

O que se retém? Nada, quando muito o belo.

Então, devem nos bastar as flores da cerejeira

E os crisântemos e a lua cheia.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Dica: é muito legal!



Vale ver... RIO!


TIRADENTES. Justas homenagens. Hoje, a nossa vai para mulheres inconfidentes: Marília e Bárbara

À Bárbara Bela
Alvarenga Peixoto
Bárbara bela,
Do Norte estrela,
Que o meu destino;
Sabes guiar.
De ti ausente,
Triste somente,
As horas passo,
A suspirar.
Por entre as penhas,  
De incultas brenhas,
Cansa-me a vista
De te buscar.
Porém não vejo,
Mais que o desejo,
Sem esperança,
De te encontrar.
Eu bem queria,
A noite e o dia,
Sempre contigo,
Poder passar.
Mas orgulhosa,
Sorte invejosa,
Desta fortuna,
Me quer privar.
Tu, entre os braços,
Ternos abraços,
Da filha amada,
Podes gozar.
Priva-me a estrela,
De ti e dela,
Busca dois modos
De me matar!

Hoje, uma pílula de Charles Chaplin. Confesso, outro guru.

'Creio no riso e nas lágrimas como antídotos contra o ódio e o terror.'



quarta-feira, 20 de abril de 2011

Pílulas de Einstein, pra gente aprender um pouco:

 Aproveito a chance e repasso algumas perguntas que me têem sido feitas por crianças geniais:
- tem certeza de que eu preciso ir para a faculdade para aprender sobre a vida?
- toda família tem que ter televisão para ser gente boa?
- se a gente gostar mais, o stress do papai acaba?


Tipo: nós aí.... e vamos juntos, a

Trupe Dom Quixote, bobos das cortes, palhaços, poetas, turma do bem, loucos, ovelhas coloridas, esquizitos, sistemáticos, humm....ah, tem mais, tem muito mais.... venham com a gente!!, Quase-Ser-Tão começa a preparação da primeira invasão da cidade. Entre em contato conosco, mande sua idéia, ela tem lugar bem aqui.

Tipo assim:
http://mais.uol.com.br/view/10581991


Nas noites de quarta-feira no Bar do Zé Batidão, zona sul de São Paulo, “o silêncio é uma prece”. O poeta Sérgio Vaz faz questão de avisar que o sarau da Cooperifa “não é balada”. Um dos mais tradicionais saraus paulistanos, pioneiro na periferia da cidade, a Cooperifa encontrou endereço fixo nesse boteco de uma das esquinas do Jardim São Luiz.


Segundo Vaz, o motivo é a falta de espaços públicos para exercer a cultura na periferia da capital paulista. “Não temos teatro, não temos museu, não temos centro cultural. O bar é onde a comunidade se reúne para falar do asfalto, do trator que precisa retirar o barranco, do lixo, do futebol...”, diz ele.


Embora regado a muita cerveja e a uma caipirinha com mel batizada de “gostosinha”, a disciplina exerce um papel tão fundamental quanto a própria poesia na Cooperifa. Ao criar a cooperativa, há dez anos, a ideia de Vaz era “fazer a gentileza de recitar poesia para a comunidade e a comunidade [fazer] a gentileza de ouvir a poesia”. Para isso, segundo ele, não apenas o silêncio é imprescindível, mas o respeito a cada um dos poetas que se arrisca atrás do microfone. E, para que isso seja garantido, todos devem aplaudir a todos com a mesma intensidade.


Desde 2001 a Cooperifa ajudou cerca de 30 poetas a lançarem seus livros, além de ter colaborado para que músicos e rappers gravassem seus álbuns, entre eles F.I.N.O, Wesley Noog, Versão Popular e Jairo Periafricania.


“Comecei a fazer rap com 35 anos e a Cooperifa mudou minha vida porque me mostrou que se eu quero ser escritor eu posso, não preciso pedir autorização para ninguém”, conta Jairo, que em 2010 lançou o disco “O Sonho Não Envelhece” e há três anos dá aulas de rap na Fundação Casa.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Acorde 5

Voltei, e estou feliz e triste; há uma consciência fria, dura, estável.  De tudo. Estou feliz porque estou calmo, e vejo meus sonhos chegarem de manso, por caminhos que eu não esperava, mas chegam tais como foram sonhados. Fazem-me trabalhar demais e existe uma grande resistência em minh’alma. A realização dos meus sonhos me conta todos os dias que estou, e ficarei, só, e penso agora que a realização depende exatamente de que eu esteja assim. Eu só. Uma   so-lidão própria, e estranha. É luminosa, pois há uma luz muito quente aqui. Agora. Não a vejo, e sinto mais que nunca o estranho que em mim habita . Às vezes distante, nunca inexistente, entretanto. Quero o estranho aqui, como neste agora. Porque é quente, está perto, e continua estranho. Está em mim, é meu. Sou eu. É palpável, tocável. Sinto saudade dele, e agora, a cada instante, ele fica mais perto de mim...  talvez eu me desapareça nele, e é bom. Há
música.

70 anos de Roberto Carlos: Parabéns p'ra muita gente!!

Aconteceu em 67...



Bom lembrar 'que fui quem sou'....

Educando:

O documentarista francês Thomas Balmès filmou quatro crianças de diferentes países durante um ano e o resultado deste material é o filme “Bebês”. Namíbia Mongólia, Japão e Estados Unidos foram o cenário escolhido por Balmès, cuja ideia é mostrar ao grande público as diferentes perspectivas culturais que influem na criação de crianças.
“Bebês” não tem diálogos nem depoimentos, apenas músicas de Bruno Coulais, que é o mesmo de “Couraline e o mundo secreto” e “A voz do coração”. O filme de Balmès, no entanto, não apresenta qualquer interação com seus personagens.
E enquanto isso a câmera simplesmente grava seu cotidiano mesmo quando os bebês estão expostos a situações perigosas. O que faz com que o resultado desta experiência seja uma produção hipnótica e discutível ao mesmo tempo.
Os quatro bebês retratados são Ponijao, Bayar, Mari e Hattie. O primeiro vive em uma comunidade tribal da Namíbia, o segundo em uma cabana rodeada pelo deserto de Gobi e as meninas em Tóquio e São Francisco (rodeadas de mimos e apetrechos).

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Presente do Lucas Parma

É poema, mas também é música. É ainda canção... presente do múltiplo e muito talentoso Lucas. Obrigada... esperando a canção...


SOMENTE OS BONS TÊM SORTE
 Lucas Parma
Então, como vai você?
Isto é, o que tem feito por aqui?
Quanta esperança ainda cabe em seu coração?

Sentindo-se renovado?
Devolveu a visão a um cego?
Quantos abraços para cada criança?

Está no caminho da verdade?
Qual arma escolheu?
De quantas formas tentou?

É claro, você não está mais só
Vivos como nunca e as vozes como uma

Somente os bons têm sorte
Somente os bons, meu amigo
Ser forte não é o bastante

Somente os bons têm sorte
E somente raiva não basta

Mudando-se para Nova York?
Escrevendo uma canção para a paz?
Você sabe... ‘não há nada que você possa fazer que não possa ser feito’

Conversando com as rochas?
Como é o gosto da maçã?
O que o coração de um homem realmente deveria querer?

É claro que você não está mais só
Vivos como nunca e as vozes como uma

Somente os bons têm sorte
Somente os bons, meu amigo
Ser forte não é o bastante

Somente os bons
Somente os bons tem sorte
E só raiva não basta