sexta-feira, 15 de abril de 2011

Mais poesia:

JANELA



Olhei pela janela ao raiar

do dia e vi uma jovem macieira,

diáfana em meio à luz.


Quando olhei de novo ao

raiar do dia lá estava

uma grande macieira, carregada de fruto.



Passaram-se decerto

muitos anos, mas não me

lembro de nada do que

aconteceu neste sonho.

Czeslau Milosz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NO FUNDO NÃO HAVIA ÁGUA ou ENTRE O SUJEITO E A COISA

( nota prévia: esse é o primeiro conto do livro INCONTÁVEIS,  de que publicamos o prefácio antes. Como dissemos é um livro denúncia. Denú...