quarta-feira, 15 de junho de 2011

XIII Congresso Mineiro de Psiquiatria - parte III

 (Hipócrates, autor do juramento do médico)

Enfim, não se trata de definir saúde como adequação a um conjunto de normas de vida, nem como direito conquistado através de instituições organizadas e planejadas, nem como meio disponibilizado por processos políticos e movimentos sociais solidários, mas como verdadeiro COMPOSTO de tudo isso, isto é, como conjunto de norma/valor/direito/conquista/atividade expresso na interação singular indivíduo/social. É no próprio estabelecimento de valores, normas, leis e princípios, que se criam, desenvolvem e se expressam os humanos. Dos quais, temos, sem dúvida, uma só certeza: de que adoecem. Trago esta reflexão como parte do cenário que nos propomos a enfrentar, ao nos impor o tema: FRONTEIRAS ENTRE A DOENÇA MENTAL E A NORMALIDADE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário