segunda-feira, 11 de julho de 2011

DIA DE PENITÊNCIA: Flávio Venturini

 
Ei, Jorge, sim, sim, sim... Você tem razão, você está certo e eu, bem, não tenho desculpas. É verdade que o Flávio Venturini merece tudo. E também é verdade que eu me esqueci, ou melhor, talvez Freud explique, porque a verdade verdadeira é que é simplesmente impossível esquecer o Venturini, na medida em que, você sabe, você estava lá, e você está aqui... O problema (?) talvez seja que a turma é uma constelação, e então eu fiquei hipnotizada com o brilho... Ok, sem explicações! Apenas peço perdão. E mando logo uma overdose de Flávio. (que não mata, é claro... pelo contrário, é só poesia e amor). Tenho seu perdão?
  

 “Pode abrir a janela
Noites com sol são mais belas
Certas canções são eternas
Deixa o sol entrar”

“Me sinto triste de noite
Atrás da luz que não acho
Sou viajante querendo chegar
Antes dos raios de sol”

 
“Nunca mais
Quero ver você me olhar
Sem me entender em mim
Eu preciso lhe falar
Eu preciso, tenho que lhe contar”

 

“No carnaval
Se a gente quer
Pierrot, vida, anjo, fantasia de papel”

 
“clareia manhã
o sol vai esconder
a clara estrela
ardente
pérola do céu
refletindo
teus olhos
a luz do dia a contemplar
teu corpo
sedento
louco de prazer
e desejos
ardentes”

 
“Irei, já vou
Pra tudo decifrar
Irei pra no teu colo
Me desfalecer de amor
Serei, já sou
O que esperas de mim”

Nenhum comentário:

Postar um comentário