quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Décimo quinto sonho


Aos nove anos eu vestia um vestido de fustão amarelo, hoje, quem sabe o que é isso? Eu. Eu sei, é um tecido delicioso, macio, cheio de buraquinhos fofinhos, e faz a gente parecer confortável, bonita... E eu estava querendo isso pra mim, e a única garantia era aquele vestido amarelo que me protegia de um mundo lá fora, em cinza e gritos, e desaforos, ignorância e indiferença, e eu me escondia naqueles buraquinhos do meu vestido bonito, lá dentro tudo era macio e profundo, e.... Naquela tarde igual a todas as outras eu estava naquele buraquinho me escondendo e sendo feliz, e então eu o vi descendo lentamente o morro, aquela figura meio desfocada, não sabia se gente se bicho, mas era uma figura com certeza feliz, leve, que descia o morro quase sem pisar o chão e vinha vindo vindo vindo, e então eu o vi melhor e era um rapaz bonito, de cabelos lisos, muito lisos, muito louro, bem louro, de braços longos e finos, e pernas mais longas e mais finas, e que de repente parou bem diante de mim, olhando bem dentro do meu esconderijo amarelo, e sorriu bonito e sem som, e pousou a mão fina e leve sobre aqueles buraquinhos amarelos, e continuou sorrindo e então eu vi que os olhos dele eram azuis e fiquei besta, é, sim, sim, fiquei besta, pois nunca tinha visto ninguém de olhos azuis, só em sonhos, e também me lembrei que pessoas louras só em sonhos, e aquela pessoa estava ali, bem perto, dentro do meu abrigo, e não havia nenhum desaforo,  tudo era conforto e sossego. Tive coragem, perguntei quem é você, ele respondeu sem prestar atenção, sou o trapezista do circo, e nunca vi você lá, e eu disse eu sempre vivi no circo, mas só sonhava trapézio, ele respondeu venha então para o trapézio comigo e eu fui... Foram tantas luas quantos os buraquinhos do fustão do meu vestido amarelo; tantas luas que atravessamos juntos a galáxia. Foi assim que eu conheci o Pedro, o trapezista, o viajante, aquele Pedro que um dia eu contei pra você que ele gostava das mulheres.
Magda Maria Campos Pinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário