sábado, 8 de outubro de 2011

MEMÓRIA

8 de outubro
Captura de Che Guevara nas selvas da Bolívia. 
 (...) se, por qualquer motivo, no que não acredito, eu não puder escrever mais e em seguida chegar a minha vez, considerem estas linhas como uma despedida. Não muito grandiloqüente, mas sincera. Passei pela vida buscando minha verdade aos tropeções e agora, encontrado meu caminho e com um filha que me perpetua, fechei o ciclo. Portanto não consideraria minha morte uma frustração, apenas como Hikmet: ‘Somente levarei à tumba o pesadelo de um canto inconcluso’. Beijo a todos, Ernesto.

In O pensamento vivo de Che Guevara, Martin Claret Editores, SP, 1987.

PS: Nazım Hikmet Ran foi um poeta turco que morreu em 1963; teve suas obras traduzidas para muitas línguas. Considerado autor de vanguarda, ocupou-se com experimentações lingüísticas. Pertenceu ao partido comunista, sendo perseguido e banido da nacionalidade turca.  Em 5 de Janeiro de 2009 o governo turco aboliu, por decreto, a decisão que em 1951, retirara sua nacionalidade.

 (Nazim Hikmet)

NOSTALGIA

passaram cem anos seu eu ver o teu rosto,
prender a tua cintura,
passar o dia nos teus olhos,
questionar a tua sapiência,
e estar próximo do calor do teu ventre.

passaram cem anos que uma mulher me espera
numa bela cidade.

nós, nós estávamos na mesma rama,
nessa mesma rama.
caímos dessa mesma rama e separámo-nos.
e hoje cem anos nos afastam,
cem anos de caminho.

hoje faz cem anos que
por entre a escuridão
eu a procuro.

(Nazim Hikmet
tradução de Pedro Calouste)

(a música é linda, a declamação também, os cantores, as crianças, idem...Imperdível! a arte tem uma única linguagem: a emoção)

Nenhum comentário:

Postar um comentário