sexta-feira, 7 de outubro de 2011

NOBEL DE LITERATURA/2011

Contrariando a expectativa e a bolsa de apostas, conforme anunciamos aqui na quarta-feira, o Prêmio Nobel da Literatura 2011 foi atribuído ao poeta e tradutor sueco Tomas Tranströmer, vencendo o poeta sírio Adonis. O destaque ficou para o fato de o prêmio literário ser atribuído à poesia lírica. Publicou seu primeiro livro de poemas aos 23 anos. Tranströmer é também psicólogo (e músico, pianista) tendo trabalhado com dependentes químicos e infratores até 1990 quando sofreu um AVC que lhe deixou sequelas motoras consideráveis. Ele continuou o trabalho literário tornando-se o poeta sueco mais traduzido (mais de 30 idiomas) e conhecido internacionalmente. Já publicou mais de 20 livros e recebeu vários prêmios. Não existe tradução brasileira de seu trabalho; em Portugal, Tomas Tranströmer está representado na coletânea “21 poetas suecos”, editada pela Vega, em 1981. Seu trabalho se destaca pelo verso livre. Vive hoje, aos 80 anos, numa ilha nórdica, junto com sua família, longe dos holofotes.

Para nossa alegria, existe numa coletânea de autores suecos publicada pela Fundação Biblioteca Nacional, um fragmento de poema seu com tradução de Marta Manhães de Andrade.

“Os fios elétricos
estendidos por onde o frio reina
Ao norte de toda música.

O sol branco
treina correndo solitário para
a montanha azul da morte.


Temos que viver
com a relva pequena
e o riso dos porões".

Nenhum comentário:

Postar um comentário