segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A PARTIDA: cinema pra não se perder

  Mais um belíssimo filme japonês que, seguindo tempo, modos e hábitos daquela cultura, torna-se universal, capaz de tocar a todo mundo. De temática profunda, difícil, facilmente evitável, o filme não evita, facilita e aprofunda tudo. A fotografia é linda, a trilha é boa, os atores estão no ponto. Aliás, o cinema oriental devia receber mais a nossa atenção; a cada dia estou sendo bem surpreendida, embora esteja muito atrasada quanto a esse filme. Ele venceu o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2009 (não que isso queira dizer muita coisa, digo apenas que nem assim o conheci antes). O resgate de valores como respeito, delicadeza e honradez é basicamente o argumento do filme, com uma boa dose de desapego. Mas não deixa de falar em tantas outras coisas, incluindo conflitos bem mais banais da vida moderna. É ótimo também perceber a tranqüilidade com que se trata a diversidade, seja ela cultural, religiosa ou as escolhas individuais.  A Partida é mais que um belo filme, é uma experiência para não se esquecer. Aproveite.


Título original: (Okuribito)/Lançamento: 2008 (Japão)/Direção: Yojiro Takita/Atores: Masahiro Motoki, Tsutomu Yamazaki, Ryoko Hirosue, Kazuko Yoshiyuki./Duração: 130 min/Gênero: Drama

p.s: E de brinde, como alguém que tem mania de catar pedras, ganhei mais uma bela história sobre elas. Bom de conferir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário