sábado, 26 de novembro de 2011

CUIDANDO... Do começo:


“(...) Quero dizer, eles escreviam sobre poesia como se a poesia fosse uma tarefa, e não o que é em realidade: uma paixão e um prazer”.
“(...) E a vida, tenho certeza, é feita de poesia. A poesia não é alheia – a poesia, como veremos, está logo ali, à espreita. Pode saltar sobre nós a qualquer instante”.
“(...) Pois as coisas perfeitas na poesia não parecem estranhas; parecem inevitáveis”.
“(...) Devo confessar que não considero um livro um objeto imortal a ser tomado em mãos e devidamente cultuado, mas antes uma ocasião pra a beleza. E assim tem de ser, pois a linguagem está mudando o tempo todo”. 

               In Esse Ofício do Verso, Jorge Luis Borges, Companhia das Letras, SP, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário