sexta-feira, 18 de novembro de 2011

LEMBRETE 7


 “A mãe é eterna,
O pai é imortal”
(Dizer de Luar-do-Chão)

In Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, Mia Couto, Companhia das Letras,SP, 2003
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário