quinta-feira, 22 de março de 2012

DE OUTRA SAUDADE:



(...)
1.
A pé e de coração leve
Eu enveredo pela estrada aberta,
Saudável, livre, o mundo à minha frente,
À minha frente o longo atalho pardo
Levando-me aonde eu queira.

Daqui em diante não peço mais boa sorte,
Boa sorte sou eu.
Daqui em diante não lamento mais
Não transfiro, não careço de nada;
Nada de queixas atrás das portas,
De bibliotecas, de tristonhas críticas;
Forte e contente vou eu
Pela estrada aberta.

A terra é quanto basta:
Eu não quero as constelações mais perto
Nem um pouquinho, sei que se acham muito bem
Onde se acham, sei que são suficientes
Para os que estão em relação com elas.

(Carrego ainda aqui
Os meus antigos fardos delícias,
Carrego – mulheres e homens –
Carrego-os comigo por onde eu vou,
Confesso que é impossível para mim
Ficar sem eles: deles estou recheado
E em troca eu os recheio.)
(...)

In Folhas das Folhas da Relva, Walt Whitman, seleção e tradução de Geir Campos, Cantadas Literárias, Brasiliense, SP, 1983.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário