quarta-feira, 21 de março de 2012

DO AMOR:

(...)
1.
Oh grande Deus dos exilados!
Quanto durará a vida nestas planícies áridas?
2.
Pelo meu rosto rolam as lágrimas
Não posso esquecer as montanhas de Kabul com seus cimos nevados.
3.
Meu amor, nada tenho para te oferecer
Exceto, no mais fundo do coração, a morada que construí para ti.
4.
As montanhas agora separam-nos
Só as aves serão os nossos mensageiros e os seus cantos os presságios
5.
Pus-me bonita com os meus vestidos usados
Como um jardim florido numa aldeia em ruínas
6.
O meu amante prefere os olhos cor de céu:
Não sei como mudar os meus, cor de noite.
7.
À meia-noite a lembrança de ti é a única visita
Que me atormenta e não me deixa dormir.
8.
Ó Primavera dos desejos insatisfeitos
Vai procurar os que ainda têm o coração ébrio.
9.
O teu amor é de água, é de fogo
As chamas consomem-me e as ondas engolem-me
10.
Se o meu amor morrer, que eu seja a sua mortalha
Assim desposaremos a poeira juntos.
(...)

In A voz secreta das mulheres afegãs – o suicídio e o canto-, Sayd Bahodine Mayrouh, versão de Ana Hatherly, Cavalo de Ferro, Lisboa, 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário