sexta-feira, 9 de março de 2012

Mário Faustino, Keats e eu



Prelúdio
He was a poet, sure a lover too...
Keats, ‘I stood tiptoe’
O que eu sou, quero dizer a mim mesmo
Para que venha a sabê-lo pouco a pouco.
Sejam minhas palavras não um canto
Impossível agora mas retrato
Que socorra e console enquanto espero
E receba o que não posso mais conter.
Pudesse eu celebrá-las, as rosas e as estrelas
Cantar a noite o silêncio a morte a música...
Porém, porque não amo, o mundo me repele
E vivo aprisionado atrás das pálpebras
À espera condenado, à angústia, ao sono, ao tédio.
Talvez a infância, que é minha... mas nem isso,
Que toda coisa ou ser, até lembrança
Só se deixa cantar quando se sabe amada. Se não amo,
Só me resta esperar, navegando em meu sangue.
Agora, não vos direi paisagens, porém sonhos
Jamais saudades, mas desejo e esperança
E da beleza só pressentimento. E falarei da amada
Hoje miragem, mas amanhã visita
Que trará tudo e encontrará somente
Amor e enfim um canto – de alegria.

In O homem e sua hora e outros poemas, Mário Faustino, Companhia das Letras, SP, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário