segunda-feira, 19 de março de 2012

PARA WOLF:



“Que palavra surgiu perto de mim,
Que grito nasce numa boca ausente?
Mal posso ouvir o grito contra mim,
Mal sinto o hálito que me nomeia.

No entanto o grito em mim vem de mim mesmo,
Estou murado em minha extravagância.
Que voz divina ou que estranha voz
Consentira habitar o meu silêncio?

In Obra Poética, Yves Bonnefoy, Tradução e Organização Mário Laranjeira, Iluminuras, SP, 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário