terça-feira, 29 de maio de 2012

CECÍLIA MEIRELES PARA LÓRI II


(...)
“Vim da taverna ébrio de impossível,
Pisando sonhos, beijando o vento,
Falando à pedras, agarrando os ares...
- Oh! Deixe-me ir para onde eu for:...”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

NO FUNDO NÃO HAVIA ÁGUA ou ENTRE O SUJEITO E A COISA

( nota prévia: esse é o primeiro conto do livro INCONTÁVEIS,  de que publicamos o prefácio antes. Como dissemos é um livro denúncia. Denú...