quarta-feira, 2 de maio de 2012

Falando para mães...


ÍNTIMO

HUMBERTO DE CAMPOS

Minha mãe! Minha mãe! Tu, que adivinhas
Esta mágoa amaríssima que eu canto,
Tu, que trazes as pálpebras de pranto
Cheias, tão cheias como eu trago as minhas;

Tu, que vives em lágrimas, e tinhas
A vida, outrora, tão feliz, enquanto
Deste teu filho, que tu queres tanto,
Todas as mágoas serenando vinhas;

Tu, que do astro do bem segues o brilho,
Pede ao Deus que, apesar das tuas dores,
Ainda persiste a castigar teu filho,

Que eu não morra a sofrer, como hoje, vivo,
Esta angústia de uma árvore sem flores
E esta mágoa de pássaro cativo.

In Livro dos poemas, Uma antologia de poetas brasileiros e portugueses,  L&PM Editores, PA, 2009.
 
 Humberto de Campos Veras nasceu no Maranhão, em Miritiba (hoje Humberbo de Campos) em 1886 e morreu no Rio de Janeiro, em 1934. Foi jornalista, poeta, cronista e ativista político (famoso sob o pseudônimo de Conselheiro XX, entre outros). Elegeu-se deputado federal em 1920 e perdeu o mandato na revolução de 30. Inovador, o sarcasmo e comicidade marcaram inicialmente sua produção que, posteriormente, adquiriu uma forma de crítica social ferrenha. Viveu grande parte da vida doente e solitário (ganhou muitos inimigos com seu trabalho), morreu cego e pobre. Em 1920 havia sido eleito para a Academia Brasileira de Letras. É personagem polêmico; após sua morte foi publicado um diário seu no qual critica ainda mais ferinamente os personagens de seu tempo. Três anos após sua morte, começam a surgir crônicas, romances e artigos considerados de sua autoria e psicografados por Chico Xavier (muito jovem na época), o que provocou grande discussão nos mais diversos âmbitos da sociedade e depois longa disputa jurídica por direitos autorais, reivindicados por herdeiros de Humberto de Campos e perdedores da causa para a Federação Espírita Brasileira, por decisão judicial. A obra de Humberto é vasta, e continua surpreendente. Há um livro, também polêmico, escrito por Miguel Timponi,  ‘A Psicografia ante os Tribunais’ sobre esse episódio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário