quinta-feira, 3 de maio de 2012

SUPERCONVITE:

Queridos amigos de BH, 

Convido vocês para apresentação do meu filme - JANELAS e para o filme do Ricardo, que eu fui assistente e co-roteirista - DJALIOH. Vou adorar ver todos vocês na sala Humberto Mauro, na quarta-feira, dia 09 de maio, às 19:00 horas. Quem não viu e sempre me pergunta: quando vai passar em BH? Chegou a hora!! 
As informações estão abaixo, colei do site do Palácio das Artes - imagino que vocês saibam que tem que chegar um pouco antes, para pegar ingresso, não?
Portanto, espero todos lá!
Beijo grande da Clá!

P.s.1: eu ainda não fiz a divulgação pelo facebook, mas farei em breve. Bom, repassem meu e-mail e divulguem para os amigos. 
P.s.2: espero toda a equipe de BH presente.


Palácio das Artes
Estéticas do Contemporâneo | 09 de maio
Cine Humberto Mauro
A sessão ‘Estéticas do Contemporâneo’ oferece ao público obras fundamentais do cenário cinematográfico mundial e nacional atual que, por razões de indústria e mercado, não tiveram a devida repercussão ou sequer chegaram a ser exibidas ou lançadas comercialmente. São filmes muitas vezes elogiados pela crítica, premiados em festivais importantes ou referendados pela Academia, mas praticamente desconhecidos do grande público. A mostra acontece regularmente, na programação do Cine Humberto Mauro.

No mês de maio, os filmes exibidos serão Djalioh, de Ricardo Miranda, e o curta Janelas, de Clarissa Ramalho. Após a sessão haverá bate papo com os diretores.

PROGRAMAÇÃO:

09 QUA : 19h | Janelas, de Clarissa Ramalho | Djalioh, de Ricardo Miranda | (16 anos) | 92´ |
Bate papo com diretores após a sessão
  
SINOPSES:
Janelas (Clarissa Moebus Ramalho, 2011, 16min., livre)
 
Janela – s.f. – “Moldura arquitetônica, considerada como ângulo de visão, que permite a entrada de luz e ar, além de possibilitar a extensão do olhar, como um indivíduo, que participa da ação observada. Símbolo da consciência ou portal para o inconsciente.” As janelas, o eu e o outro. De dentro e de fora – uma observação do mundo, por onde personagens emoldurados são vistos pelo olhocâmera. Ficção toca o experimental.

Djalioh (Ricardo Miranda, 2011, 76min., 16 anos)
 
Djalioh é um ser estranho. Nascido no Brasil vai para França aos 16 anos e apresenta-se de maneira não convencional, revelando-se o idiota da família. Incompreendido pela sociedade, sofre por amar Adèle, que está de casamento marcado com o primo Paul, pai de criação de Djalioh. Em Flaubert, Djalioh acaba por matar e morrer em frustrado processo de compreensão da sociedade europeia. Sem poder falar, desejar e agir socialmente este herói romântico vai se transformar na indignidade social dos homens. O filme é uma adaptação livre do conto Quid Quid Volueris, estudos psicológicos, de Gustave Flaubert, escrito em 1837, ano em que Flaubert tinha 16 anos.

Serviço
Evento: Estéticas do Contemporâneo
Data: 09 de maio
Local: Cine Humberto Mauro
Horário: 19h
Entrada gratuita 
Informações: (31) 3236-7400

Nenhum comentário:

Postar um comentário