domingo, 6 de maio de 2012

UM MÉTODO PERIGOSO: um filme ruim

 Dizem que falar sobre estrelas é muito difícil. São tão fascinantes e enigmáticas que só seria possível falar para os iniciados, ou falar muito superficialmente, falar o mesmo, falar o que todo mundo já sabe. Mas nem isso o filme UM MÉTODO PERIGOSO consegue. É simplesmente lamentável. Uma produção cara que deixa escapar um grande tema. O filme não consegue se explicar sob nenhum aspecto. Poderia simplesmente contar a história de um amor frustrado e neurótico, mas como tenta explorar as outras linhas da história (a força da mulher na história da psicanálise, a amizade/competição Freud/Jung, as divergências psicológicas, os preconceitos sociais,  e etc...) não consegue fazer coisa alguma. Seja quem se interessa por psicanálise, seja quem ama o cinema, sai frustrado. O filme se perde, os diálogos são confusos, os cortes são ruins, a conclusão pior ainda (aquela idiotice de letreiros contando o ‘final’ da vida de cada personagem como se aquela história da tela continuasse... quem diria, coisa amadora). Quem não sabia nada de Freud e Jung, sai sabendo menos ainda. Quem sabe e gosta, sai com cara de bobo. É pena porque o veio é rico, a história é grandiosa, os personagens são geniais; eis um bom caminho para se conhecer melhor a chegada das mentes ao século vinte e seu percurso ao longo dele. Espero que outros cineastas sejam tentados pelo tema, e saibam tratá-lo melhor. Mas como nada nem ninguém é tão ruim que não se salve algo, há que se fazer justiça e dizer que as interpretações estão ótimas; com destaque para Keira Knightley como Sabina e Vigo Mortesen como Freud, maravilhosos. A direção de arte é linda. E que se diga também que o filme é fiel à história (não que isso seja uma virtude, no caso de obra de arte), mas não soube o que fazer com o que tinha em mãos. Pois é... é muito perigoso falar sobre estrelas, pois são fascinantes... podem hipnotizar. É pena, vamos ter que esperar mais por um bom filme sobre a história da psicanálise; por enquanto, “Freud” de John Huston, 1962, com Montgomery Cliff no papel de Freud (aqui, chamado ‘Freud, além da alma’) ainda continua sendo o melhor. Vejam, vocês vão gostar.   (fica a sugestão para o grupo de estudos)

 Um Método Perigoso
Titulo Original: A Dangerous Method
(Reino Unido, França, Alemanha, Canadá e Suiça, 2011)
Direção:
David Cronenberg
Roteiro:
Christopher Hampton e John Kerr
Elenco:
Michael Fassbender, Viggo Mortensen, Keira Knightley, Vincent Cassel, Sarah Gadon



Nenhum comentário:

Postar um comentário