quinta-feira, 28 de junho de 2012

Antônio Nóbrega e Guimarães Rosa para Estevão IX: a grande arte do Brasil

O romance de Riobaldo e Diadorim

( Antonio Nóbrega e Wilson Freire)

Quando eu vi aqueles olhos,
Verdes como nenhum pasto,
Cortantes palhas de cana,
De lembrá-los não me gasto.
Desejei não fossem embora,
E deles nunca me afasto.

Vivemos a desventura
De um mal de amor oculto,
Que cresceu dentro de nós
Como sombra, feito um vulto.
Que não conheceu afago,
Só guerra, fogo e insulto.

Na noite-grande-fatal,
O meu amor encantou-se.
Desnudo corpo inteiro
Desencantado mostrou-se.
E o que era um segredo,
Sem mais nada revelou-se.

Sob as roupas de jagunço,
Corpo de mulher eu via.
A deus, já dada, sem vida,
O vau da minha alegria.
Diadorim, Diadorim…
Minha incontida sangria.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário