segunda-feira, 16 de julho de 2012

Lóri para Laura 2



“Falar de literatura, então, é falar da vida; da própria vida e da vida dos outros, da felicidade e da dor. E é também falar do amor, porque a paixão é o maior invento das nossas existências inventadas, a sombra de uma sombra, a pessoa adormecida que sonha que está sonhando. E bem lá no fundo de tudo, para além das nossas fantasmagorias e dos nossos delírios, momentaneamente contida por esse punhado de palavras tal como o dique de areia de um menino contém as ondas da praia, surge a Morte, tão real, mostrando suas orelhas amarelas”.

In A louca da Casa, Rosa Montero, Ediouro, RJ, 2004

p.s meu: o dique de areia do menino é o que realmente importa; inclusive para denunciar (ou seja lá o que você quiser que seja) a Morte, mera onda - a ser seja lá o que você quiser que seja - no mar da vida...


Nenhum comentário:

Postar um comentário