terça-feira, 17 de julho de 2012

Lóri para Laura 3

 “Pareço estar acalma, não pareço? Sou quase oriental nas nossas sessões, pode reparar, nunca levantei a voz ou me descontrolei. Sou latina muito raramente. Mas tudo mudou. Ai, Lopes, ando tão mexicana...
Por dentro, quase histérica. É muita buzina, muito sol, muito batom pra fora do lábio. a vontade que tenho é de entornar vários copos de tequila e de escrever versos de amor vagabundos. Tem sido quase impossível manter-me cool, manter-me japa. Minha vida tem sido acalorada, apimentada, 40 graus à sombra.
Gustavo ajuda como pode,mas nãopode tanto. Delegou a mim a tarefa de conduzir nossos dias. O que me faz parecer assim tão forte: sou a que controla contabilidade da casa, que arquiteta os planos para o futuro, a que administra os verões, os invernos, a estiagem e as inundações, sou a que segura a barra de todos, a voz que manda e desmanda, a que não dorme à noite,pensando,pensando, pensando.”

In Divã, Martha Medeiros, Objetiva, SP, 2002.


Nenhum comentário:

Postar um comentário