sábado, 7 de julho de 2012

NÃO ESTOU NA FLIP.... mas meu canto é eternamente Drummond 4



“Ninguém me fará calar, gritarei sempre
Que se abafe um prazer, apontarei os desanimados,
Negociarei em voz baixa com os conspiradores,
Transmitirei recados que não se ousa dar nem receber.
Serei, no circo, o palhaço, serei médico, faca de pão, remédio, toalha,
serei bonde, barco, loja de calçados, igreja, enxovia,
Serei as coisas mais ordinárias e humanas,
e também as excepcionais:
Tudo depende da hora
E de certa inclinação feérica,
Viva em mim qual um inseto.

Idade madura em olhos, receitas e pés,
Ela me invade
Com sua maré de ciências afinal superadas.
Posso desprezar ou querer os institutos, as lendas.
Descobri na pele certos sinais que aos vinte não via.
Eles dizem o caminho,
embora também se acovardem
em face a tanta claridade roubada ao tempo.
Mas eu sigo, cada vez menos solitário,
Em ruas extremamente dispersas,
Transito no canto do homem ou da máquina que roda,
Aborreço-me de tanta riqueza,
 jogo-a toda por um número de casa,
E ganho.

(fragmento Idade Madura, in A rosa do Povo, 1943-1945)


Nenhum comentário:

Postar um comentário