domingo, 30 de setembro de 2012

SOMBRIO, PESADO E VERDADEIRO

 
Heidegger já nos ensinou que uma consciência permanente, sem intervalos, do ser-aí-ser-para-a-morte, seria pura perplexidade e paralisia. Assim é que, no mais do tempo, estamos alienados no cotidiano. Só assim podemos estar na vida, ou seja, alienados no mais das vezes. É o que se experimenta com a infernal clareza da angústia e do absurdo existencial que o FAUSTO de Sokurov nos apresenta. É um filme monumental. É difícil, é feio, é cruel. E hipnótico. Faz jus ao Fausto, a Goethe e ao prêmio de Veneza/2011. E definitivamente não é para passar um tempo. Dói.

Nenhum comentário:

Postar um comentário