sexta-feira, 9 de novembro de 2012

SEMANA DE VIGÍLIA 2: J. W. GOETHE


“Porque já então se havia afirmado em mim essa ideia fundamental, que não sei se me fora inspirada ou insinuada, ou se nascera das minhas próprias reflexões: que em toda tradição, e particularmente na tradição escrita, o essencial é o fundo, o interior, o sentido e a direção da obra; ao se encontrar o qual é original, divino, eficaz, inviolável, inalterável; nem o tempo, nem qualquer influência, qualquer condição exterior, pode abalar esse fundo íntimo, ou pelo menos não o podem mais do que uma enfermidade do corpo a uma alma bem formada. A língua, o dialetos, os idiotismos, o estilo e finalmente a escritura deviam ser consideradas como o corpo de toda obra do espírito. Esse corpo – assaz intimamente unido ao interior, é verdade – fica, no entanto, exposto às alterações, às deteriorações, pois em geral nenhuma tradição pode, por sua própria natureza, ser transmitida numa pureza perfeita, e mesmo que assim acontecesse não poderia, mais tarde, ser sempre perfeitamente inteligível: uma coisa é impossível devido à insuficiência dos órgãos através dos quais ela é transmitida; a outra, devido às diferenças de tempo e de lugar, mas especialmente por causa das diferenças entre as faculdades e as opiniões humanas, e por isso mesmo os intérpretes nunca estarão de acordo. Investigar a natureza íntima, o caráter próprio de um livro que nos agrade particularmente é, pois,assunto de cada um; e para isso é preciso, acima de tudo, examinar em que relações está o livro com a nossa natureza e a que  ponto essa forma viva anima e fecunda a nossa; em compensação, todo o exterior,que não age sobre nós ou está sujeito a alguma dúvida, deve ser abandonado à crítica, que, ainda sendo capaz de desmembrar e dispensar o conjunto, jamais conseguiria arrematar-nos o fundo verdadeiro, ao qual nos agarramos firmemente, e não perturbaria sequer por um instante a nossa convicção, uma vez formada.”

In Memórias: poesia e verdade, J. W. Goethe, Editora Universidade de Brasília, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário