domingo, 25 de novembro de 2012

SÉRIE BITS: MPB



 

Skap

Quando você pinta tinta, dessa tela cinza
Quando você passa doce, dessa fruta passa
Quando você entra mãe-benta, amor aos pedaços
Quando você chega nega fulô
Boneca de piche
Flor de azeviche

Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho

Quando você fala bala, no meu velho oeste
Quando você dança lança flecha, estilingue
Quando você olha molha meu olho que não crê
Quando você pousa mariposa morna, lisa
O sangue encharca a camisa

Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho

Quando você diz, o que ninguém diz
Quando você quer, o que ninguém quis
Quando você ousa lousa pra que eu possa ser giz
Quando você arde, alardeia sua teia cheia de ardis
Quando você faz a minha carne triste, quase feliz.


p.s: o primeiro disco do Zeca ‘Onde andará Stephen Fry?’ é um dos melhores discos da nova MPB. Passeando com elegância por diversos gêneros Zeca Baleiro mostra grande e linda inteligência como letrista em arranjos muito bem feitos. Nesse disco a canção ‘Flor da Pele’ mostra o toque do Vapor, mas longe de parecer uma homenagem à canção. Gal apropriou-se dela e passamos a ouvir mais Vapor que Flor da Pele. Mas se voltarmos ao disco, encontramos lá a  forte canção original do Zeca. 

Flor da Pele

Ando tão à flor da pele
Qualquer beijo de novela
Me faz chorar
Ando tão à flor da pele
Que teu olhar "flor na janela"
Me faz morrer
Ando tão à flor da pele
Meu desejo se confunde
Com a vontade de não ser
Ando tão à flor da pele
Que a minha pele
Tem o fogo
Do juízo final

Barco sem porto
Sem rumo, sem vela
Cavalo sem sela
Bicho solto
Um cão sem dono
Um menino, um bandido
Às vezes me preservo
Noutras, suicido...


Oh, sim!
Eu estou tão cansado
Mas não prá dizer
Que não acredito
Mais em você
Eu não preciso
De muito dinheiro
Graças a Deus...
Mas vou tomar
Aquele velho navio


Barco sem porto
Sem rumo, sem vela
Cavalo sem sela
Bicho solto
Um cão sem dono
Um menino, um bandido
Às vezes me preservo
Noutras, suicído...


Nenhum comentário:

Postar um comentário