segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

SÉRIE BITS: POESIA BRASILEIRA



EPISÓDIO



Manhã cedo passa

À minha porta um boi.

De onde vem ele

Se não há fazendas?



Vem cheirando o tempo

Entre noite e rosa.

Pára à minha porta

Sua lenta máquina.



Alheio à polícia

Anterior ao tráfego

Ó boi, me conquistas

Para outro, teu reino.



Seguro teus chifres:

Eis-me transportado

Sonho e compromisso

Ao País Profundo.

In A rosa do povo, Carlos Drummond de Andrade, Record, 1978.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NO FUNDO NÃO HAVIA ÁGUA ou ENTRE O SUJEITO E A COISA

( nota prévia: esse é o primeiro conto do livro INCONTÁVEIS,  de que publicamos o prefácio antes. Como dissemos é um livro denúncia. Denú...