quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

SÉRIE BITS: POESIA BRASILEIRA



FELICIDADE

Felicidade é esse acaso
Que te fez o que és.
Nada queres dizer.
Nada deves a trabalho
Ou a dever.
Perverso
Brincas.
Criatura de um só dia
Absolto
És festa
Serás luto.
És esta sonho carne frêmito.
Não mereces esse prazer
Nem eu mereco teu amor:
Tudo entre nós é gratuito
E muito
E parte.
Cardumes de sol amaro
Quase sem arte
Quero-te feliz.

In GUARDAR, Antônio Cícero, Record, RJ, 1996.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hilda, a mulher de coragem

Hoje, terça feira, 10 de abril: LETRA EM CENA A professora Eliane Robert de Moraes analisa a obra de Hilda Hilst. Nesta terça-feira (10)...