quarta-feira, 3 de abril de 2013

LIVRO DO MÊS 2: A CARTA ROUBADA, Edgar Allan Poe



‘- Existe um jogo de adivinhação – prosseguiu ele – que é realizado com um mapa. Um dos participantes solicita ao outro que encontre uma determinada palavra – o nome de uma cidade, de um rio, estado ou império -, qualquer palavra, em resumo, que esteja inscrita sobre a variegada e confusa superfície de uma carta geográfica. Um novato nesse jogo tenta, em geral, embaraçar o adversário, solicitando-lhe que encontre os nomes escritos com as letras menores; mas o jogador experimentado seleciona as palavras que se estendem, em grandes caracteres, de uma ponta do mapa até a outra. Estas palavras, como as tabuletas e cartazes com letras grandes demais, escapam á observação justamente porque são excessivamente óbvias. E aqui, o descuido físico é precisamente análogo ao falso conceito moral segundo o qual o intelecto se sujeita a não perceber aquelas considerações que são visíveis demais e palpavelmente evidentes em si mesmas. Mas este é um ponto, segundo parece, que está um pouco acima (ou talvez abaixo) do nível de compreensão do senhor comissário. Ele nem por um momento considerou a probabilidade, nem sequer a possibilidade de que o ministro tivesse depositado a carta imediatamente debaixo do nariz de todo mundo, como a melhor maneira de evitar que os olhares do mundo a percebessem. Mas quanto mais eu refleti sobre a ousadia, coragem e engenhosidade discriminativa de D— - considerando ainda o fato de que o documento deveria permanecer sempre à mão, caso ele pretendesse lançar mão do mesmo para qualquer propósito; e sobre a evidência decisiva, obtida pelo comissário, de que não se achava escondido dentro dos limites da busca ordinária desse dignitário -, tanto mais me satisfiz de que , a fim de esconder a carta, o ministro tinha recorrido ao expediente abrangente e sagaz de não tentar absolutamente escondê-la.”

 In A carta roubada e outras histórias de crime e mistério, L&PM Pocket, Porto Alegre, 2003.

p.s: atenção, grupo e estudos.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário