quinta-feira, 4 de julho de 2013

De Giovana para o clube: REFLEXÕES



Versões de mundo
Versões de ver
Versões de ser
Versar a vida
Dentro de um universo
Que vai do verso ao reverso
Um ser imerso
Pode criar algo diverso
E nascer um novo verso.

Medo da verdade
Medo de ser surdo
E não ouvir o absurdo
Que nos aprisiona em seu mundo
E faz da gente que mente
Refém de dizeres inconsequentes, incoerentes.
 
Ontem eu fui um caramujo. Com o meu casulo, tentava me proteger dos outros, do mundo. Vivi dentro dele por um tempo até descobrir que o que me amedrontava já estava por dentro. Sinto mais forte para sair, olhar para fora, ao invés de para dentro. Hoje estou mais leve... Será que o casulo está lá? Será que um dia não estará? Há um “modo de ser” eterno? Às vezes, as coisas ficam cinza como no inverno. O que eu sei é que, do futuro, nada sei. A única certeza, hoje, é que sinto vontade de arriscar, vontade de voar. Mas, espera aí. Caramujo tem casulo? Ontem eu fui uma lagarta... 

Gente bruta provoca luta. Será que a saída é sempre bruta? Ou será que no meio do incêndio, apagar o fogo pelo grito é dispêndio enquanto melhor seria o silêncio? Gente bruta parece estar sempre na labuta para provocar luta. Mas luta contra quem? Quem ganha essa luta? Fica o vazio, a distância. O fracasso ganhou a luta.
Giovana M. P. Chaves
 

8 comentários:

  1. Giovana, que espetáculo... Leitura agradável, fácil, profunda, instigante, preocupante.
    Adorei, post mais.
    Abraços
    Marcelo Soares Cotta

    ResponderExcluir
  2. Adorei. Uma leitura agradável que me fez viajar até o meu casulo. O meu, seu que ainda existe e em certos momentos recorro-me a ele, não para fugir, mas para me preparar para uma nova metamorfose.
    Espero que continue nos brindando com pérolas como esta.

    Márcio

    ResponderExcluir
  3. O redescobrimento de si mesmo e a constante vontade de evoluir junto com o mundo torna-nos mais aptos a entender aquilo que acontece ao nosso redor. Parabéns pelo belo texto, espero poder ler mais!

    ResponderExcluir
  4. Que bom que as palavras estão fazendo barulho!
    Abraço,
    Giovana

    ResponderExcluir
  5. ei, Giovana.... EU SABIA!! (rs, só de metida, e orgulhosa, é claro!) beijo, beijo, Magda

    ResponderExcluir
  6. Giovana, parabéns pela bonita e tocante reflexão. Acredito que há momentos de recolher e de desabrochar. O mais importante é estar sempre em movimento, pois o conforto é o que nos impede de crescer. Que bom que você está desabrochando e certamente voará cada vez mais alto. Beijos!

    ResponderExcluir