quarta-feira, 10 de julho de 2013

Uma semana com YVES BONNEFOY 4

Cativo de uma sala, do ruído, um homem mistura as cartas. Numa: “Eternidade, odeio-te” Noutra: “Liberte-me este instante!”
E numa terceira ainda escreve o homem: “Indispensável morte.” Assim na falha do tempo vai ele a caminhar, iluminado pela sua ferida.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vladimir, Wim e Bruno. Existe vida inteligente.

A MORTE DE UM ATOR VLADIMIR SAFATLE Pode-se dizer que foi o momento mais maduro de uma carreira que trazia atrás de si uma sequênc...