segunda-feira, 30 de setembro de 2013

APRENDIZ DE PRIMAVERA: A morte 23


DIREITO À MORTE

Viver é poder ter consigo
Certo passaporte no bolso

Que dá direito a sair dela,
Com bala ou veneno moroso.

Ele faz legal o que quer

Sem policiais e sem lamentos:
Fechar a vida como porta

Contra um fulano ou contra o vento; 

Fazer, num dia que foi posto
Na mesa em toalha de linho,

Fazer de seu vivo esse morto,
De um golpe, ou gole, do mais limpo.


 In Agrestes, João Cabral de Melo Neto, Record/Altaya, 1985.

Nenhum comentário:

Postar um comentário