segunda-feira, 16 de setembro de 2013

APRENDIZ DE PRIMAVERA: A MORTE 9

Ficheiro:Lytras nikiforos antigone polynices.jpeg
ANTÍGONE
“Sim, porque não foi Júpiter que a promulgou; e a Justiça, a deusa que habita com as divindades subterrâneas, jamais estabeleceu tal decreto entre os humanos; nem eu creio que teu édito tenha força bastante para conferir a um mortal o poder de infringir as leis divinas, que nunca foram escritas, mas são irrevogáveis; não existem a partir de ontem, ou de hoje; são eternas, sim! E ninguém sabe desde quando vigoram! – tais decretos, eu, que não temo o poder de homem algum, posso violar sem que por isso me venham a punir os deuses!  Que vou morrer, eu bem sei; é inevitável; e morreria mesmo sem a tua proclamação. E, se morrer antes do meu tempo, isso será, para mim, uma vantagem, devo dizê-lo! Quem vive, como eu, no meio de tão lutuosas desgraças, que perde com a morte? Assim, a sorte que me reservas é um mal que não se deve levar em conta; muito mais grave teria sido admitir que o filho de minha mãe jazesse sem sepultura; tudo o mais me é indiferente! Se te parece que cometi um ato de demência, talvez mais louco seja quem me acusa de loucura!”
In Antígone, Sofocles, Coleção Universidade, Ediouro, 1990.



Nenhum comentário:

Postar um comentário