quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

DE COMEÇOS 1:




 A GRAÇA DO PERDÃO

(Shakespeare, O mercador de Veneza,
 tradução de Bárbara Heliodora)

A graça do perdão não é forçada;
Desce dos céus como uma chuva fina
Sobre o solo: abençoada duplamente,
Abençoa a quem dá e a quem recebe;
É mais forte que a força: ela guarnece
O monarca melhor que uma coroa;
O cetro mostra a força temporal,
Atributo de orgulho e majestade,
Onde assenta o temor devido aos reis;
Mas o perdão supera essa imponência:
É um atributo que pertence a Deus,
E o terreno poder se faz divino
Quando, à piedade, curva-se a justiça.”

Shakespeare Plays

Nenhum comentário:

Postar um comentário