sábado, 19 de abril de 2014

GABO 2:

- Não ouvi falar nada disso - disse.
 As cigarras zuniam no pátio. Minha mãe falava, sem deixar de coser, sem levantar a vista da bordadeira na qual estava gravando símbolos, bordando labirintos brancos. Dizia: “Aquela noite, estávamos sentados à mesa (todos, menos ele, porque desde a tarde em que voltou pela última vez da barbearia não fazia mais a refeição da tarde), quando Meme veio nos servir. Estava transformada. ‘Que há com você , Meme?’ lhe perguntei. ‘Nada, senhora. Por que?’ Mas nós sabíamos que ela não estava bem, porque vacilava junto à lâmpada e tinha um aspecto doentio. ‘Por Deus, Meme, você não está passando bem’, disse. E ela esforçava-se por se manter firme, como lhe era possível, até o instante em que se encaminhou para a cozinha com a bandeja. Então, teu pai, que a estava observando durante todo o tempo, lhe disse: ‘Se não está se sentindo bem, vá se deitar’. E ela não disse nada. Continuou com a bandeja, de costas para nós, até que ouvimos o estrépito da louça fazendo-se em pedaços. Meme estava no corredor, segurando-se na parede com as unhas. Então foi quando seu pai foi buscá-lo nesse quarto para que  acudisse Meme’.(...)

O marido irreal voltou às duas da tarde e disse que já havia almoçado. Então, ao vê-lo chegar de cabelo cortado, pareceu-me que dezembro havia deixado de ser um mês azul. Martín sentou-se ao meu lado e ficamos um momento sem falar. Pela primeira vez desde meu nascimento tive medo de que anoitecesse, e devo tê-lo manifestado de alguma forma, porque repentinamente Martín pareceu viver. Inclinou-se sobre o meu ombro e disse: ‘em que está pensando? (Senti que alguma coisa se torcia no meu coração: o desconhecido começava me tratar com intimidade). Olhei para cima, onde dezembro era uma gigante bola brilhante, um luminoso mês de vidro; disse: ‘estou pensando que  a única coisa que falta agora é que comece a chover’.

 In O ENTERRO DO DIABO, Gabriel Garcia Marquez, Editora Sabiá Ltda, Rio de Janeiro, Guanabara, 1970, ilustrações de Carybé.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário