quarta-feira, 2 de abril de 2014

NOSSA SUBSTÂNCIA É MEMÓRIA 5: e, daí, aprendizado.

 



“Ao contrário do que sucedia desde 1964, a oposição resolvera participar da eleição de 74. Ulysses Guimarães, presidente do MDB, encabeçaria a chapa. Suas chances eram nulas, pois a Arena tinha mais de dois terços do Colégio eleitoral. Daí, denominava-se ‘anticandidato’. A ideia – e o termo – apareceu numa conversa do deputado Thales Ramalho, secretário-geral do partido, com Luís Maranhão, o Miguel do comitê central do PCB, responsável por parte dos contatos políticos da organização. Amigos desde a juventude, tinham conversado por duas horas num automóvel, vagando pelas ruas do Rio de Janeiro. A sugestão atolara. Em junho de 1973, Ulysses Guimarães assegurara que o MDB não participaria da eleição. Mudou de opinião quando a ala mais combativa do partido saiu em busca de um candidato destinado a denunciar o processo eleitoral. Procuraram militares, mas acabaram se conformando com o nome do velho libertário Barbosa Lima Sobrinho. Em setembro, Ulysses anunciou-se ‘anticandidato’. Aproveitaria a oportunidade da campanha para atacar o governo e denunciar o processo político, abandonando-o dias antes da cerimônia eleitoral, com uma renúncia cinematográfica.

Aquele paulista de poucos votos que presidia um partido sem passado nem presente acabara de achar o futuro. Apelidado Ramsés por conta da sua seca figura, cabia nas sete palavras com que se auto-retratara em 1938, na disputa pelo lugar de orador da turma na Faculdade de Direito da WSP: ‘Eloquente. Verboso. arrebata e comove. Cultura sólida’.

(...)
 

“A elite brasileira parecia dividida em duas castas: a que já estivera com Geisel e a que ainda não estivera. O poeta Carlos Drummond de Andrade retratou esse clima narrando a história de sua passagem pelo jardim Botânico:

- Tem estado com o Golbery?

- Nunca o vimos. [...]

- Você não foi chamado?

- Chamado para quê?

- Pelo homem.

- Que homem, homem de Deus?

- O do Jardim Botânico, ué.

- Padre Raulino, o diretor? Também não tenho o prazer de conhecê-lo. Fui lá ver as plantas.

- Deixa de cortina de fumaça. Você sabe que eu me refiro ao general Geisel.

- E por que o general havia de me chamar?

- Sei lá, você foi visto saindo da casa dele.

- Eu?

- Você sim. E depois de sair, ainda ficou olhando um longo tempo para a casa, embevecido.

- Eu olhava um gato dormindo. Adoro gatos. [...]

Eu não seria um dos pedestais do futuro governo. [...] Minhas relações com os amigos do general limitavam-se a um gato. E gato visto à distância, sem maior comunicação. O inquiridor despediu-se com um muxoxo. Minha estrela apagou-se".

 In A Ditadura Derrotada, Elio Gaspari, Companhia das Letras, SP, 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário