sexta-feira, 16 de maio de 2014

SEMANA CECÍLIA 2



A Persistência da Memória
PAUSA

Cecília Meireles
 
Agora é como depois de um enterro.
Deixa-me neste leito, do tamanho do meu corpo,
Junto à parede lisa, de onde brota um sono vazio.

A noite desmancha o pobre jogo das variedades.
Pousa a linha do horizonte entre as minhas pestanas,
E mergulha silêncio na última veia da esperança.

Deixa tocar esse grilo invisível
 - mercúrio tremendo na palma da sombra –
Deixa-o tocar a sua música, suficiente
Para cortar todo arabesco da memória....

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NO FUNDO NÃO HAVIA ÁGUA ou ENTRE O SUJEITO E A COISA

( nota prévia: esse é o primeiro conto do livro INCONTÁVEIS,  de que publicamos o prefácio antes. Como dissemos é um livro denúncia. Denú...