quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

DE VOLTA:

"Chove dentro da alta fantasia". 

in Divina Comédia, Dante Alighiere, ‘Purgatório’ (XVII, 25) 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

QUE TEMPO?


TEM OS QUE PASSAM, E TUDO SE PASSA COM PASSOS JÁ PASSADOS.
TEM OS QUE PARTEM, E DA PEDRA AO VIDRO DEIXAM TUDO PARTIDO.
E TEM, AINDA BEM, OS QUE DEIXAM A VAGA IMPRESSÃO DE TER FICADO (Alice Ruiz)
.




sábado, 24 de janeiro de 2015

OH MINAS GERAIS!!



 

FORÇA DO ALEIJADINHO
MURILO MENDES

A mão doente parou,
Fica suspensa no ar,
Inutilizada no ar.

Lá fora os lundus dos escravos
Acordam a lua do sono.
A escultura bem que pede uma força bem maior.
 - homem homem se me acaba
Eu acabo te abraçando. –

E a mão nunca que chega
Até o fim do caminho,
Ela está presa, bem presa,
Desde o princípio do mundo.

Então de dentro do corpo
Do homem disforme e triste
Sai uma boca de fogo,
Sopra no corpo da estátua
Que respira já prontinha,
Dá um abraço no escultor.

In História do Brasil, Murilo Mendes, Editora Nova Fronteira, RJ, 1990.
http://www.psicanaliseebarroco.pro.br/Imagens/006.jpg

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

SETE VOLTAS:

"Extinção não existe, por isso a juventude da terra há de surgir da nossa dissolução".
 FRIEDRICH HÖLDERLIN (1770-1843) [ Carta a Schelgel em 10/01/1797]

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

SEIS VOLTAS:

"Quando a gente dorme, vira de tudo: vira pedras, vira flor. O que sinto, e esforço em dizer ao senhor, repondo minhas lembranças, não consigo; por tanto é que refiro tudo nestas fantasias. Dormi nos ventos. Quando acordei, não cri: tudo o que é bonito é absurdo - Deus estável."
in Grande Sertão: Veredas, João Guimarães Rosa.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

CINCO VOLTAS:

"O Homem velho só queria ver as flores, ficar entre elas, cuidá-las. O Homem velho brincava com as flores. Cerra-se a névoa, o escurecido, há uma muralha de fadiga. Orienta-me! - como um riachinho, às voltas, que tentasse subir a montanha".


in Primeiras Estórias, João Guimarães Rosa.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

QUATRO VOLTAS:

"A beleza aqui é como se a gente a bebesse, em copo, taça, longos, preciosos goles servida por Deus. É de pensar que também há um direito à beleza, que dar beleza a quem tem fome de beleza é também um dever cristão."


in Grande Sertão: Veredas, João Guimarães Rosa.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

TRÊS VOLTAS:

"PERDIDOS TODOS OS VERDES
- COR QUE DORME - DESCONFORME
SE ESCOA O MUNDO NO ABANDONO."


in Ave, Palavra, João Guimarães Rosa.

domingo, 18 de janeiro de 2015

sábado, 17 de janeiro de 2015

UMA VOLTA:

"... Revejo. Flores pelo vento desfeitas. Quando rezo, penso nisso tudo."
 
in Grande Sertão: Veredas, João Guimarães Rosa.