segunda-feira, 13 de abril de 2015

Estamos de luto: EDUARDO GALEANO, o companheiro das primeiras horas

 eduardo galeano uruguai mujica
 “Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos”
 
Link to full-size image 
Esta semana nos dedicaremos a Eduardo Galeano, sempre presente, aqui no blog e em nossa vida. 
(ps: se o blogger deixar)

2 comentários:

  1. Num mundo repleto de intolerância, ódio e desamor, hoje perdemos um escritor demasiado humano. Dele, amo esse traço humano que um dia esteve em cada um de nós e que nos foi arrancado, oferecido a preço vil no mercado das ilusões. Talvez reflita mais, na quietude da noite, sobre essa perda, procurando no seu enorme legado o caminho dessa alma universal, terna e solidária. Ainda estou perplexo, porque não esperava que sua pena emudecesse tão cedo. 74 anos não significam muito para o tamanho de sua existência. Se é verdade que sua alma se perpetua nos seus escritos, falas, entrevistas, conversas, é preciso que os que o amamos recebamos o inventário da América Latina como um tesouro a ser repartido, como o pão na mesa do homem e como o vinho na taça dos convivas. Adeus, Galeano.

    ResponderExcluir
  2. Sinto-me ainda perplexa; amo-o como a um irmão mais velho, e sábio.

    ResponderExcluir