quinta-feira, 21 de maio de 2015

RILKE:



 Rosa vermelha

“E alguém está de pé e deslumbrado naquela pompa. E de tal modo que aguarda o despertar. Pois só dormindo se contempla tal magnificência e tal festim com tais mulheres: o menor de seus gestos é uma prega caindo em brocado. Constroem horas com suas argentinas práticas e de vez em quando levantam as mãos assim – e pensarás que colhem num lugar que não atinges, suaves rosas que não vês. E então sonhas: adornar-te com elas, ser feliz de outro modo, e merecer uma coroa para a tua fronte, que está nua.”

In A canção de amor e de morte do Porta-Estandarte Cristóvão Rilke, tradução de Cecília Meireles, Editora Globo, RJ, 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário